dezembro 28, 2009




Lindos e Fofos Cartões
www.cartooes.com


FERIAS!!!

ESTAMOS ENTRANDO DE FÉRIAS...DESEJAMOS A TODOS QUE CONOSCO ESTIVERAM NO ANO DE 2009, QUE POSSAMOS COMPARTILHAR DE NOSSAS CONSQUISTAS EM 2010!!!

A TODOS UM ANO REPLETO DE REALIZAÇÕES!!!

BEIJOS E ABRAÇO NO CARAÇÃO....



Lindos e Fofos Cartões
www.cartooes.com


dezembro 27, 2009

Fichas de recuperación de la Dislexia 1

Fichas de recuperación de la Dislexia 1





Ma. Fernanda Fernandez Baroja, Ana M. Llopis Paret y Carmen Pablo de Riesgo

Nivel de Iniciación (4-5 años)

Contienen ejercicios madurativos de actividad mental, seriaciones, atención, diferencias y analogías, de grafía, de cortado y picado, de esquema corporal, espaciales y temporales... Ejercicios de lenguaje, de lectura, reconocimiento de sílabas inversas, compuestas.







Editorial: CEPE



ISBN: 9788486235314

Fichas de recuperación de la Dislexia 2

Fichas de recuperación de la Dislexia 2





Ma. Fernanda Fernandez Baroja, Ana M. Llopis Paret y Carmen Pablo de Riesgo

Nivel Elemental (5-6 años)

Contienen ejercicios madurativos de actividad mental, seriaciones, atención, diferencias y analogías, de grafía, de cortado y picado, de esquema corporal, espaciales y temporales... Ejercicios de lenguaje, de lectura, reconocimiento de sílabas inversas, compuestas.







Editorial: CEPE



ISBN: 9788485252053

Fichas de recuperación de la Dislexia 3

Fichas de recuperación de la Dislexia 3






Ma. Fernanda Fernandez Baroja, Ana M. Llopis Paret y Carmen Pablo de Riesgo

Nivel Escolar (6-7 años)

Contienen ejercicios madurativos de actividad mental, seriaciones, atención, diferencias y analogías, de grafía, de cortado y picado, de esquema corporal, espaciales y temporales... Ejercicios de lenguaje, de lectura, reconocimiento de sílabas inversas, compuestas.







Editorial: CEPE



ISBN: 9788485252060

Fichas de recuperación de la dislexia 4 Lectoescritura

Fichas de recuperación de la dislexia 4 Lectoescritura





Ma. Fernanda Fernandez Baroja, Ana M. Llopis Paret y Carmen Pablo de Riesgo

Contienen ejercicios madurativos de actividad mental, seriaciones, atención, diferencias y analogías, de grafía, de cortado y picado, de esquema corporal, espaciales y temporales... Ejercicios de lenguaje, de lectura, reconocimiento de sílabas inversas, compuestas.



Nivel afianzamiento (8-10 años)



Editorial: CEPE



ISBN: 9788486235406

Fichas para la reeducación de las dislexias I

Fichas para la reeducación de las dislexias I





Mariana Pelarda de Rueda, Albertina Gómez Álvarez

Contiene ejercicios de orientación espacial, de flechas, dictado de dibujos, ejercicios de ritmo, percepción y coordinación motriz, conocimiento del esquema corporal, atención, razonamiento, lenguaje... simetrías, percepción auditiva, lectura, escritura, vocabulario, expresión, cálculo...





Editorial: CEPE



ISBN: 9788485252152

Fichas para la reeducación de las dislexias II y III

Fichas para la reeducación de las dislexias II y III




Mariana Pelarda de Rueda, Albertina Gómez Álvarez

Contiene ejercicios de orientación espacial, de flechas, dictado de dibujos, ejercicios de ritmo, percepción y coordinación motriz, conocimiento del esquema corporal, atención, razonamiento, lenguaje... simetrías, percepción auditiva, lectura, escritura, vocabulario, expresión, cálculo...





Editorial: CEPE



ISBN: 9788485252244

Logopedia interactiva

Logopedia interactiva





Cristina Hermosilla Cirión

Se cubren seis áreas de gran importancia en logopedia: Metalenguaje, Espacial, Temporal, Ritmo, Memoria y atención y Lectura.



En cada área hay diversos ejercicios, todos ellos presentados en forma amena y atractiva para los niños, que disfrutarán con una serie de ejercicios que consideran juegos.



Los ejercicios se presentan graduados en cinco niveles de dificultad, lo que permite adecuar el programa a las necesidades de cada niño y seguir sus progresos



La acertada combinación de juegos, dibujos y sonidos es no sólo algo muy atractivo para el niño sino un eficaz sistema de mecanismos de refuerzo.



Logopedia interactiva se presenta en un CD-ROM para equipos multimedia con Windows.





Editorial: Tea Ediciones

Método mapal 2. Método antidisléxico para el aprendizaje de la lecto-escritura

Método mapal 2. Método antidisléxico para el aprendizaje de la lecto-escritura





Jaime M. Jiménez

El segundo volumen del mapal está constituido por cuatro bloques diferenciados:



1. Actividades de apresto para la escritura: recorte y pegado de grafemas, picado de letras, recorte de sílabas.

2. Ejercicios de Lectoescritura: actividades de lectura, escritura de palabras, silabarios de doble entrada y formación de palabras.

3. Plantillas para enlazar letras.

4. Plantillas de formación de frases que están construidas para permitir la formación de frases a partir de una estructura gramatical de uso frecuente. Constan de unas figuras geométricas en cuyo interior aparecen varias palabras para ser relacionadas.





Editorial: CEPE



ISBN: 9788486235864

Dislexia 1 - Programa para la recuperación de las dificultades lectoescritoras.

Dislexia 1 - Programa para la recuperación de las dificultades lectoescritoras.






Antonio Valles Arandiga

Los errores de exactitud en la lectura y en la escritura constituyen las evidencias mas claras de las dificultades de procesamiento de la información lingüística a través de las rutas de acceso al significado de las palabras, especialmente de la ruta fonológica y de la ruta léxica. Cuando las reglas de correspondencia grafema-fonema (RCGF) no están suficientemente bien adquiridas se producen errores de esta naturaleza: sustituciones, inversiones, omisiones, etc.



Las actividades que se presentan en este programa están dirigidas a este fin, al de reforzar la ruta fonológica y mejorar las habilidades de decodificación mediante actividades especificas de segmentación.



Edad:1 y 2 ciclo de educación primaria.

InlcuyeCD con presentaciones PowerPoint





Editorial: PromoLibro



ISBN: 9788479866464

Dislexia 2 - Programa para la recuperación de las dificultades lectoescritoras.

Dislexia 2 - Programa para la recuperación de las dificultades lectoescritoras.






Antonio Valles Arandiga

Los errores de exactitud en la lectura y en la escritura constituyen las evidencias mas claras de las dificultades de procesamiento de la información lingüística a través de las rutas de acceso al significado de las palabras, especialmente de la ruta fonológica y de la ruta léxica. Cuando las reglas de correspondencia grafema-fonema (RCGF) no están suficientemente bien adquiridas se producen errores de esta naturaleza: sustituciones, inversiones, omisiones, etc.



Las actividades que se presentan en este programa están dirigidas a este fin, al de reforzar la ruta fonológica y mejorar las habilidades de decodificación mediante actividades especificas de segmentación.



Edad:2 y 3 ciclo de educación primaria.

InlcuyeCD con presentaciones PowerPoint





Editorial: PromoLibro



ISBN: 9788479866471

Dislexia 3 - Programa para la recuperación de las dificultades lectoescritoras.

Dislexia 3 - Programa para la recuperación de las dificultades lectoescritoras.





Antonio Valles Arandiga

Los errores de exactitud en la lectura y en la escritura constituyen las evidencias mas claras de las dificultades de procesamiento de la información lingüística a través de las rutas de acceso al significado de las palabras, especialmente de la ruta fonológica y de la ruta léxica. Cuando las reglas de correspondencia grafema-fonema (RCGF) no están suficientemente bien adquiridas se producen errores de esta naturaleza: sustituciones, inversiones, omisiones, etc.



Las actividades que se presentan en este programa están dirigidas a este fin, al de reforzar la ruta fonológica y mejorar las habilidades de decodificación mediante actividades especificas de segmentación.



Edad:2 y 3 ciclo de educación primaria.

InlcuyeCD con presentaciones PowerPoint





Editorial: PromoLibro



ISBN: 9788479865627

La conquista de las palabras. (Tratamiento de la dislexia y los trastornos lectoescritores). Primaria II.

La conquista de las palabras. (Tratamiento de la dislexia y los trastornos lectoescritores). Primaria II.






María José Marrodan Girones

Cuaderno de trabajo para el 1º y 2º ciclos de Primaria 6-10 años, sobre prevención y tratamiento de dislexias y trastornos lectoescritores. Contiene una orientación para el profesor (o familia) con plantilla de logros obtenidos. Se aplica también a alumnos de edades superiores con índice mayor de dificultad en sus aprendizajes.



Editorial: ICCE



ISBN: 9788472783201

La conquista de las palabras. (Tratamiento de la dislexia y los trastornos lectoescritores) . Primaria I.

La conquista de las palabras. (Tratamiento de la dislexia y los trastornos lectoescritores) . Primaria I.




María José Marrodan Girones

Cuaderno de trabajo para 5-8 años, sobre prevención y tratamiento de dislexias y trastornos lectoescritores. Contiene una orientación para el profesor (o familia) con plantilla de logros obtenidos. Se aplica también a alumnos de edades superiores con índice mayor de dificultad en sus aprendizajes.



Editorial: ICCE



ISBN: 9788472783171

La conquista de las palabras. (Tratamiento de la dislexia y los trastornos lectoescritores). Primaria III


María José Marrodan Girones


Cuaderno de trabajo para el 2º y 3º ciclos de Primaria 8-12 años, sobre prevención y tratamiento de dislexias y trastornos lectoescritores. Contiene una orientación para el profesor (o familia) con plantilla de logros obtenidos. Se aplica también a alumnos de edades superiores con índice mayor de dificultad en sus aprendizajes.



Editorial: ICCE



ISBN: 9788472783225

¿Quieres conocerme? Me cuesta leer. Dislexia

¿Quieres conocerme? Me cuesta leer. Dislexia






Lídia Arroyo

A Blanca le cuesta mucho leer: confunde las letras, cambia las sílabas y sustituye palabras por otras. Junto con sus padres, acude a la consulta de Adriana, una logopeda que le marcará unas pautas que ayudaran mucho a Blanca a superar sus dificultades.



Cuento que ayuda a los niños a entender la dislexia, además de llevar pautas para los padres y educadores.





Editorial: Salvatella



ISBN: 9788484125136

Dislexia, ortografía e iniciación lectora

Manuel Sanjuán Nájera, Marta Sanjuán Álvarez


La dislexia es un trastorno grave que altera la vida de las personas que la padecen y de los que conviven con ellos.




Para remediarla se han seguido dos vías complementarias: un tratamiento clínico y uno pedagógico. El primero es, en general, complejo, caro y en muchos casos de resultado dudoso. El pedagógico se ha centrado, fundamentalmente, en ejercicios repetitivos de tipo gráfico y sonoro que, además de insuficientes, abruman a los disléxicos y les aburren. Aquí presentamos un enfoque diferente, con estímulos y ejercicios multifacéticos, apoyados en los siguientes materiales:



1. Un libro guía, con abundantes orto-dibujos y una amplia relación de ejercicios y actividades, basados en la visión de palabras y dibujos.



2. Un CD-ROM con más de 400 orto-dibujos, a los que acompañan el sonido de la palabra correspondiente, que puede ser oída completa o por sílabas aisladas. La asociación de dibujo y palabra ayuda de modo muy eficaz a facilitar la lectura, incluso de vocablos largos o complejos. Tiene 132 ejercicios en los que los dibujos pueden verse fijos o en movimiento, además de oírse sus palabras.

Ver los dibujos y oír el sonido de veterinario, burbujas o extravagantes ayuda a enfrentarse con vocablos que, en los métodos habituales eran casi insalvables.



3. Una caja de tocar con una cortinilla en la que los niños meten sus manos para identificar a ciegas letras, objetos o estructuras y esquemas espaciales.



4. Un abecedario con letras en relieve que permiten discriminar al tacto letras dudosas: b, p, t; q, g; n, u, así como sílabas que provocan confusiones: pra, par, las, sal.



5. Tarjetas de memoria ortográfica. Son 72 parejas de cartulinas, una con dibujo y palabra montada, otra con el dibujo sin palabra. Con estas tarjetas se pueden hacer ejercicios de percepción espacial, identificación de formas, invención de frases o breves historietas, etc.



6. Barajas ortográficas. Cada carta tiene un dibujo y su correspondiente vocablo. Muy útiles para ejercicios de asociación, percepción veloz y otros.



7. Un diccionario ortográfico ideovisual. Tiene 1.236 vocablos, apoyados en dibujos. El material más eficaz para fijar la ortografía correcta de más de 3.200 palabras con letras dudosas.





Contenido

lote completo



Editorial: Yalde

Dislexia fonológica. Programa de intervención para mejorar la eficacia lectora.

Dislexia fonológica. Programa de intervención para mejorar la eficacia lectora.


Angel R. Calvo Rodriguez, Almudena Albacete Perea, Nadia Calvo Tendero


Programa dirigido a mejorar la eficacia lectora a través de la consecución de los siguientes objetivos:

a) Promover cambios sobre las causas a la que los malos lectores atribuyen el origen de sus fracasos.

b) Reducir la ansiedad que provocan las situaciones de lectura.

c) Eliminar el uso de la estrategia de la lectura basada en la utilización de pistas parciales de las palabras.

d) Automatizar el uso del proceso secuencial de lectura.

e) Utilizar el procedimiento ortográfico de lectura para cuando los alumnos tengan que leer palabras frecuentes y habituales, y el procedimiento fonológico para cuando lean las palabras nuevas o poco familiares.



Nivel: 2 y 3 ciclos de educación primaria





Contenido

Aproximación teórica a la dislexia evolutiva.

Actividades con los alumnos



Editorial: PromoLibro



ISBN: 9788479866808

dezembro 24, 2009

FELIZ NATAL!!!!




Desejo á todos um Feliz Natal, onde seja possível relembrar e reviver o nascimento de Jesus como um convite à alegria, uma lição de humildade e pobreza e um apelo de amor e paz.


dezembro 23, 2009

Uma caminhada no Parque pela Divulgação da Dislexia

Às 9 horas daquela manhã chuvosa do último sábado 05 de dezembro de 2009, em pleno Parque do Ibirapuera na cidade de São Paulo, parecia que nada de novo aconteceria naquele local. Mas aos poucos os convidados da ABD como participantes da Caminhada pela Divulgação da Dislexia, iam chegando e vestindo suas camisetas amarelas.





A mancha amarela iniciou a concentração e recebeu o Sol como um convidado que também foi chegando e tomando o lugar da garoa paulistana, iluminando cerca de 140 participantes na caminhada de aproximadamente 3 quilômetros ao redor do parque.



Entre os caminhantes estavam adultos e crianças de todas as idades, com seus familiares e amigos, além de cães de estimação. Por cerca de 2 horas o Parque do Ibirapuera destacava entre as verdes árvores, o amarelo se integrando a paisagem, enquanto os participantes da caminhada chamavam a atenção dos visitantes habituais do parque numa manhã de sábado.



A pergunta que, silenciosamente, mais se ouvia era: Você sabe o que é dislexia? – frase estampada em cada camiseta. Mas poucos ousaram ler em voz alta e saber a resposta.



Tudo bem! Foi uma caminhada silenciosa, que só mostrou seu “grito de guerra” no meio do percurso, mas seguiu em frente na certeza de ter feito mais um movimento em prol da divulgação da existência da dislexia. Um distúrbio que acomete considerável parte da população, mas está adormecido dentro de crianças e adultos, que buscam esta compreensão, esta inclusão, esta liberdade de ser diferente e ao mesmo tempo igual.

























Àqueles que estiveram presente, nosso fraterno agradecimento, e aos que não puderam estar lá, fica aqui o convite para somar forças neste grito de apoio à comunidade, passo a passo. Até a próxima!

Texto por Valdir Franzisko

dezembro 10, 2009

DISLEXIA muitas vezes é associado com outras patologias comportamentais

Crianças inquietas cada vez mais são diagnosticadas como portadoras de transtorno de deficit de atenção e hiperatividade


Mas é preciso cuidado com excessos na medicação






Silvia Pacheco

Publicação: 08/12/2009 08:00 Atualização: 08/12/2009 10:32
À primeira vista, o pequeno João Cláudio, 6 anos, é igual a qualquer outra criança de sua idade: curioso, alegre, espontâneo, amoroso. Sua rotina, contudo, o difere da maioria. João é portador de transtorno de deficit de atenção e hiperatividade (TDAH). Fica disperso por qualquer motivo, começa as coisas e não termina, é inquieto e impulsivo. Por isso, seus pais não perdem o foco no pequeno na hora de cobrar limites e criar estratégias para que ele supere e conviva bem com o TDAH. "É uma luta diária e uma atenção redobrada em tudo que ele faz e do jeito que faz. Com muita informação e ajuda multidisciplinar, vencemos a cada dia", diz Denise Ribeiro Rocha, mãe de João.


Assim como João Cláudio, cerca de 8% das crianças em idade escolar apresentam os sintomas do TDAH (veja quadro). Muitas vezes, é a escola que os detecta e alerta os pais para procurarem um neuropediatra. São esses médicos, com ajuda de fonoaudiólogos e psicopedagogos, que fazem o dignóstico. "Os primeiros sintomas costumam aparecer na escola, quando o rendimento cai ou o comportamento muda", explica o pesquisador e professor de neurologia infantil da Universidade de Brasília (UnB) Carlos Aucélio. O médico enfatiza, entretanto, que é preciso levar em conta a natureza da criança antes de rotulá-la como tendo TDAH. "Criança por si só é curiosa, tirana e gosta de testar. Os pais devem estar atentos se a criança estiver tendo prejuízos na escola e no social. Se isso estiver acontecendo, o ideal é procurar o neuropediatra e começar uma investigação."
 
 


Segundo o médico, muitas vezes o TDAH é associado com outras patologias comportamentais, como o transtorno bipolar, associado com um quadro de ansiedade, transtorno obssessivo compulsivo, dislexia e autismo, entre outros. "Cabe ao médico neurologista diferenciar essas patologias, pois muitas vezes elas se misturam e isso pode tornar mais difícil o diagnóstico preciso", enfatiza. Aucélio alerta que o diagnóstico correto do TDAH deve ser feito por meio de entrevista com o paciente ou ou responsável, exames neurológicos e de potencial cognitivo e avaliação com um fonoaudiólogo especialista. "É preciso entender três fatores importantes: como a informação chega ao cérebro, como ela é processada e como o cérebro resgata essa informação. Com essas respostas, conseguimos descartar outras patologias comportamentais ou disfunções que afetam o desenvolvimento da criança, antes de receitar a medicação."




Longa busca

Denise, a mãe do pequeno João Cláudio, relata que levou quase dois anos para que seu filho fosse diagnosticado com segurança. "Foi uma busca incessante de respostas para o que meu filho tinha, pois não há um exame específico que detecte o TDAH", conta. João passou por dois neuropediatras e por baterias de exames neurológicos. Ambos os médicos diagnosticaram TDAH e receitaram a medicação - metilfenidato, conhecido como Ritalina. Porém, Denise relutou em dar o remédio. "Não sabia o que a medicação poderia acarretar. Não queria aquilo para o meu filho, porque não estava segura de nada", lembra. Denise continuou com a investigação até chegar ao Hospital Sarah - que tem uma pesquisa (1) em TDAH -, onde João foi realmente diagnosticado como portador do problema. "Não tenho problema com a medicação, meu problema era com a minha insegurança de estar fazendo o certo para o meu filho diante de um diagnóstico incerto", declarou.
 
 


Aucélio explica que o uso do metilfenidato é de extrema importância para o TDAH. Entretanto, ele não descarta o tratamento multidisciplinar com psicólogo, pedagogo e fonoaudiólogo especialista. "Acho que esses profissionais têm uma grande importância no tratamento, pois ajudam o paciente a conviver com o TDAH, além de zerarem disfunções consequentes do transtorno." A fonoaudióloga e psicopedagoga especilista em TDAH Regina Celi Schettini acredita que o remédio só deve ser prescrito quando os prejuízos sociais e acadêmicos forem de grande escala. "O TDAH é como um quebra-cabeças. Algumas vezes, a pessoa acha que é e depois descobre que o problema está em outro lugar", conta.




Schettini relata que muitos dos pacientes que chegam ao seu consultório com sintomas de TDAH na verdade têm um transtorno do processo auditivo (TPA), uma alteração auditiva que faz com que a pessoa não consiga compreender o que o outro fala. Essa alteração faz com que a criança, ou adulto, precise desenvolver um enorme esforço para entender o que o outro fala. Por conta desse esforço, a pessoa fica cansada e isso gera desatenção. "Existem agravantes visuais e ortópticos (estrabismo, lateralidade cruzada ou alternada) que podem ser a causa da desatenção. Tudo tem que ser investigado com cautela", explica a fonoaudióloga.



Leia a íntegra da reportagem na versão impressa do Correio

Ouça entrevista com o pesquisador e professor de neurologia infantil da UnB Carlos Aucélio

novembro 20, 2009

DISLEXIA : Primeira rede social do Brasil voltada para a área de saúde e qualidade de vida.

O Portal Banco de Saúde, site dedicado a oferecer informações de confiança em saúde, lançou recentemente a primeira rede social do Brasil que trata de qualidade de vida e bem-estar.


Foi fundado em 2008 pelo médico José Hamilton Vargas, com objetivo de revolucionar a forma com que as pessoas cuidavam da própria saúde e da de seus familiares.

O site conta com uma equipe de médicos, programadores, nutricionistas, dentistas, enfermeiros, profissionais de educação física, fisioterapeutas, profissionais de marketing e jornalistas, todos colaborando para levar mais saúde e qualidade de vida para dentro e fora da internet.

Agora o portal lançou-se como o primeiro site do Brasil a ter uma rede social voltada para a área de saúde e qualdiade de vida, as Comunidades de Saúde. Um ambiente onde os membros podem compartilhar informações,trocar experiências de vida e obter apoio mútuo, tendo a sua disposição um conteúdo de confiança sobre saúde.

Entusiasta da nova geração que transformou a internet usando os blogs, redes de relacionamento e comunidades na Web 2.0, o Banco de Saúde está introduzindo uma nova forma de pensar em saúde e qualidade de vida. Por meio das Comunidades de Saúde o site vem revolucionando o uso das redes sociais, que antes eram usadas basicamente para fins de entretenimento e diversão, buscando assim , incentivar uma vida mais saudável.

As Comunidades de Saúde foram criadas para as pessoas poderem compartilhar idéias, tirar dúvidas, apoiar umas às outras e espalhar uma vida melhor, transformando informação em atitude.
Além de proporcionar um espaço com mais qualidade para quem quer trocar informações sobre saúde na internet, a rede social conta com a participação e o apoio de diversos profissionais da área de saúde, que se disponibilizam em tirar dúvidas e oferecer um conteúdo relevante para os usuários.

Nas Comunidades de Saúde você tem a oportunidade de trocar idéias, conversar sobre saúde, contar a sua história, buscar apoio e também fazer de sua experiência inspiração para uma vida melhor.

Para fazer parte da rede social basta acessar www.bancodesaude.com.br e trocar experiências com diversas outras pessoas que incentivam uma vida com mais qualidade.

novembro 11, 2009

O8 DE NOVEMBRO: DIA NACIONAL DA DISLEXIA.

Los padres de disléxicos piden más actuaciones




La asociación ASDIJA celebra mañana el Día nacional con un acto en Asuntos Sociales

Maribel Casas lleva dos años luchando para que la Asociación de Dislexia de Jaén y otras Dificultades del Aprendizaje (ASDIJA) se haga un hueco en la sociedad jienense y agrupe cada vez a más padres como ella, que tienen hijos con un problema que afecta al 5% de la población y que en muchas ocasiones se desconoce.


Hasta el momento ha conseguido que casi un centenar de familias se unan a la asociación y mañana domingo van a celebrar el Día de la Dislexia con un acto muy importante, en el que además de contar con presencia institucional, también van a tener la gran satisfacción de inaugurar su sede, en la calle Compañía de la capital jienense, en un local cedido por la Agrupación de Cofradías.

La dislexia es un trastorno que se manifiesta en dificultades específicas para el aprendizaje, fundamentalmente las relacionadas con la lectura, escritura, comprensión, orientación temporoespacial, memoria de trabajo o la velocidad de procesamiento. Es en muchas ocasiones la responsable del fracaso escolar y lo peor es que algunos docentes ni siquiera están preparados para detectarla, por lo que los problemas en clase se achacan a la falta del interés del alumno.

«Si nos preguntáramos cual es el enemigo de la dislexia, la respuesta es la poca información que existe en nuestra sociedad acerca de esta dificultad y por ello la gran invisibilidad que existe de este alumnado, y no solamente de niños, sino también de adultos que lamentablemente no vienen mencionados en ninguna parte, pero que por supuesto existen», manifiesta la presidenta, que se congratula de que mañana se vaya a presentar institucionalmente la asociación.

Será en un acto que tendrá lugar a las diez de la mañana en el Patronato de Asuntos Sociales y en el que intervendrán la delegada de Educación, Angustias Rodríguez, así como Isabel del Jesús, psicóloga y logopeda, colaboradora de la asociación. Maribel recuerda que pueden asistir todos los jienenses que lo deseen.

También se procederá a la entrega de premios del concurso de dibujo 'Buscamos nuestra mascota', con el que ASDIJA buscaba un símbolo que les represente.

Intel Reader transforma texto impresso em palavras faladas

Intel lança dispositivo móvel para pessoas com deficiências que dificultam a leitura, como dislexia, problemas de visão e até cegueira





A Intel Corporation anunciou hoje o Intel Reader, um dispositivo móvel projetado para aumentar a independência das pessoas que possuem problemas de leitura. O Intel Reader pode ajudar cerca de 55 milhões de pessoas nos Estados Unidos que possuam dislexia ou outras deficiências específicas de aprendizagem ou tenham problemas de visão, como cegueira parcial ou total, o que torna a leitura de palavras impressas difícil ou impossível.



O Intel Reader tem o tamanho similar ao de um livro e converte texto impresso em texto digital para depois lê-lo em voz alta para o usuário. O seu design único combina uma câmera de alta resolução com o poder do processador Intel® Atom™, permitindo que os usuários escutem o texto impresso. O Intel Reader estará disponível nos Estados Unidos por meio de revendedores selecionados, incluindo CTL, Don Johnston Incorporated, GTSI, Howard Technology Solutions e HumanWare.



Grandes quantidades de texto, como um capitulo inteiro de um livro, poderão ser facilmente capturadas para leitura posterior quando o Intel Reader for utilizado em conjunto com o Intel® Portable Capture Station. Os usuários terão acesso confortável e flexível a uma variedade de materiais impressos, ajudando não apenas a aumentar a liberdade deles, mas também a melhorar a produtividade e a eficiência na escola, no trabalho ou em casa. O Intel Reader possui o endosso da Associação Internacional de Dislexia como um avanço importante nas tecnologias de apoio. Além disso, a Intel está trabalhando com a Associação de Tecnologias de Apoio em seus programas, o Conselho da Criança Excepcional, a Lighthouse International, o Centro Nacional de Problemas de Aprendizagem e a Federação Nacional dos Cegos para ajudar a suprir as necessidades das pessoas que possuem dificuldade para ler.



“A especialidade do Grupo de Saúde Digital da Intel é encontrar soluções tecnológicas inovadoras para melhorar a qualidade de vida”, declarou Louis Burns, vice-presidente e gerente geral do Grupo de Saúde Digital da Intel. “Estamos orgulhosos em oferecer o Intel Reader como uma ferramenta para as pessoas com problemas para ler impressos padrões, para que elas possam ter um acesso mais fácil às informações necessárias para o nosso dia-a-dia, como ler uma oferta de trabalho ou até o cardápio de um restaurante”.



O conceito original do Intel Reader veio de Ben Foss, um pesquisador da Intel identificado na escola elementar como um entre os 20% de pessoas de todo o país que apresentam sintomas de dislexia. Por toda a escola, universidade e pós-graduação, ele dependeu da leitura de outros para ele ou de um duro processo para extrair as letras da página sozinho. Como adulto, muito do conteúdo que ele desejava, desde conteúdo profissional a leitura por prazer, não estava disponível em áudio.



“Como uma pessoa que faz parte da comunidade de dislexia, estou feliz em poder ajudar a igualar as condições para pessoas que, como eu, não possuem acesso à palavra escrita”, declarou Foss. “O sentimento de solidão normalmente aparece por não sermos capazes de ler facilmente. Esperamos abrir as portas para as pessoas dessas comunidades. O Intel Reader é uma ferramenta que pode ajudar as pessoas com dislexia, cegueira parcial ou total, além de outros problemas que dificultem a leitura, a acessarem os recursos necessários para participarem e serem bem sucedidos na escola, no trabalho e na vida”.



Para mais informações sobre o Intel Reader ou onde comprá-lo, visite reader.intel.com.

outubro 25, 2009

DISLEXIA: CURSO EM NOVEMBRO.

DISLEXIA: CURSO EM NOVEMBRO 06 E 07 NA CIDADE DE CHAPÉCO -SC.







CURSO DE PANLEXIA


DISLEXIA : O que é dislexia?




Introdução


O que é dislexia?

Pessoas com dislexia têm dificuldades de processamento de informação escrita. Isto pode causar problemas com a leitura, escrita e ortografia.



Na comunidade médica, existem muitas diferentes definições de dislexia. Entretanto, a maioria dos especialistas concorda que as pessoas com dislexia têm uma dificuldade de fazer uma ligação entre as palavras escritas e cartas, e os sons que eles representam.



A dislexia é geralmente definida como uma deficiência de aprendizagem, no entanto, convém sublinhar que o estado não tem nenhum efeito na inteligência.



Quão comum é a dislexia?

Estima-se que entre 5-10% das pessoas são afetadas pela dislexia.



Estudos realizados parecem sugerir que a doença é mais comum em meninos. No entanto, alguns especialistas têm argumentado que estes números podem ser enganadores como meninas podem ser melhores em esconder a sua dislexia confiando em suas habilidades verbais, enquanto os meninos são mais propensos a ser manchado em uma idade precoce, elas tendem a ser mais agitada na escola.



Tarifas da dislexia são as mesmas em todos os grupos étnicos, mas a linguagem desempenha um fator. Por exemplo, os países que têm as línguas em que há uma ligação clara entre a forma como uma palavra é escrita, e como soa, como espanhol ou italiano, apresentam taxas mais baixas de dislexia.



A dislexia é uma maneira diferente de pensar

Alguns especialistas têm argumentado que não é correcto classificar a dislexia como um problema com o pensamento, sublinhando que esta é apenas uma maneira diferente de pensar. Pessoas com dislexia têm dificuldades só porque eles são forçados a se adaptar a um mundo não-disléxicos.



Por exemplo, a maioria dos métodos de ensino e muitas áreas de trabalho tendem a enfatizar as habilidades que as pessoas com dislexia têm problemas com, como leitura, escrita, lembrando-se listas e grupos, e organização e planejamento.



No entanto, as habilidades que as pessoas com dislexia tendem a ser melhor das hipóteses, como o pensamento criativo, a consciência visual, resolução de problemas e comunicação verbal, só tendem a ser salientado em determinadas áreas, como as artes, a mídia, além de um número de disciplinas científicas, como física, matemática e programação de computadores.



Brain estudos de imagem têm demonstrado que pessoas com dislexia usar diferentes partes do seu cérebro, e utilizar mais o hemisfério direito do cérebro, que está envolvida nos aspectos mais criativos do pensamento.



Pessoas com dislexia muitas vezes:



ter boas habilidades verbais,

ter boas habilidades sociais,

são capazes de pensar lateralmente e resolver problemas, fazer conexões inesperadas (muitas vezes, é relatado que as pessoas com dislexia pode resolver problemas complexos sem ter consciência de como eles chegaram à solução),

são capazes de entender o "quadro geral", e

tem bom raciocínio visual e habilidades de consciência. Enquanto a maioria das pessoas só são capazes de pensar em '2 D ', as pessoas com dislexia pode pensar em '3 D'.

Dislexia: Causas.





Há um número de diferentes teorias sobre as causas da dislexia, mas todas elas tendem a concordar que a dislexia é um genética condição que muda a forma como a cérebro lida com informação, e é transmitida através das famílias.




Genética

A dislexia é pensado para ser uma condição hereditária que significa que muitas vezes ocorre em famílias. Estima-se que se você tem dislexia existe uma probabilidade de 40-60% que o seu filho também irá desenvolver a condição.



A maioria dos especialistas acredita que a dislexia é causada por certas genes que herdam de seus pais. Um número de genes que aumentam suas chances de desenvolver dislexia foram identificados. No entanto, exatamente como a condição se espalha por diferentes gerações é ainda desconhecido.



Dislexia de leitura e escrita

O cérebro humano tem uma capacidade inata para a linguagem falada é por isso que crianças de até três anos de idade podem freqüentemente falar e entender frases relativamente complicado.



No entanto, o mesmo não acontece da leitura e da escrita. Em termos evolutivos, ambos são relativamente novas habilidades adquiridas apenas 5.500 anos atrás.



Embora seja fácil de levar a leitura ea escrita para concedido, ambos dependem de uma complexa interação de processos. Por exemplo, quando você lê a palavra "gato":



seus olhos têm de transmitir as letras para o seu cérebro,

seu cérebro tem que combinar as letras para os sons que eles representam,

seu cérebro tem de combinar os sons separados em um som único, e

seu cérebro tem que usar sua memória de longo prazo para ver o que representa o som, a fim de apresentar o mental imagem de um gato.

Pensa-se que há alguma coisa nesse processo que as pessoas com dislexia encontrar particularmente difícil. Uma série de teorias foram sugeridas algumas das quais são descritos abaixo.



Teoria do processamento fonológico

Processamento fonológico é a capacidade de lembrar e atribuir os sons associados com letras e palavras escritas. A teoria do processamento fonológico refere que todos os sintomas da dislexia são causados por deficiência na capacidade de processar as palavras escritas em sons.



A maioria dos especialistas concorda que as dificuldades de processamento fonológico desempenhar um papel importante na dislexia. No entanto, alguns especialistas afirmam que a dificuldade no processamento fonológico é na verdade um sintoma, em vez de a principal causa da dislexia.



A teoria do cerebelo

O cerebelo teoria afirma que a dislexia é causada por diferenças físicas no cerebelo - uma parte do cérebro localizada na parte inferior das costas do cérebro. Muitos pesquisadores acreditam que o cerebelo tem um papel importante para ajudar a língua do processo.



O cerebelo também é responsável pela coordenação e sua capacidade de estimar quanto tempo passou. Isto pode explicar porque muitas pessoas com dislexia têm problemas com a coordenação eo gerenciamento do tempo.



A teoria magnocellular

Magnocellular A teoria afirma que a dislexia é causada pela deficiência de desenvolvimento de grandes células cerebrais (neurônios), conhecido como magnocells. Magnocells são responsáveis por garantir que os seus olhos olhar para as palavras certas no momento certo, quando você está lendo.



Defeitos, com magnocells pode causar uma pessoa com dislexia a olhar para as letras e as palavras na ordem errada e na hora errada. Isto pode explicar porque muitas pessoas com a condição de dizer que as palavras em uma página aparecem frequentemente distorcido e fora de foco.



Trabalho teoria da memória

A memória de trabalho é a parte da sua memória que contém informações novas. A informação é então transferido para a memória a longo prazo ou esquecido.



Por exemplo, você é capaz de se lembrar que este ano é porque a sua memória de trabalho passou essa informação em sua memória a longo prazo. No entanto, é pouco provável que você se lembra do número de matrícula do carro do seu vizinho, apesar de você vê-lo todos os dias. Isso é porque a sua memória de trabalho sabe que a informação é de pouco uso por isso descarta.



A memória de trabalho, a teoria afirma que a dislexia é causada por uma memória de trabalho ineficiente que acha difícil mover novas informações em sua memória a longo prazo.

Dislexia: Diagnóstico




A dislexia normalmente se manifestam durante o ano escolar quando uma criança mostra uma inexplicável dificuldade na leitura, apesar de ter todas as habilidades, como a inteligência e habilidade verbal, que são necessários para ler.




No entanto, um diagnóstico de dislexia não pode ser feito até que alguém com a doença está em sua fase adulta. Muitas crianças com dislexia do desenvolvimento de "estratégias de enfrentamento, tanto positivas como negativas, que podem disfarçar a condição.



As crianças com dislexia podem utilizar estratégias de enfrentamento positivas, como o trabalho mais difícil do que seus pares, e fazendo uso de sua memória de longo prazo. Em alternativa, podem usar uma estratégia de enfrentamento negativas, como fingir ser menos inteligente do que eles realmente são.



Existem duas fases no diagnóstico de dislexia:



triagem, e

avaliação.

Despistagem da dislexia

Existem diferentes métodos de despistagem da dislexia. No método simples de triagem, a criança é convidada a uma série de questões, tais como os listados abaixo.



Você misturar números como 81 e 18?

Você confundir esquerda com a direita?

Do you miss out palavras, ou as terminações das palavras?

Quando você lê, faz a impressão parecem se mover, ou borrão?

Um grande número de "sim" respostas indica que o filho pode ter dislexia.



Outros métodos de seleção envolve testes de uma série de habilidades, como a compreensão de uma criança de gramática, e sua capacidade de relacionar palavras escritas aos sons.



Embora o processo de seleção não pode confirmar um diagnóstico de dislexia, que podem indicar uma criança que tem uma alta probabilidade de ser disléxico.



Se você está preocupado com seu filho, sua escola, ou a sua autoridade educativa local deve ser capaz de organizar um teste de triagem para eles.



Avaliação da dislexia

Avaliação da dislexia é uma série mais complexo e rigoroso de testes, que é concebido para confirmar um diagnóstico de dislexia ao avaliar pontos fortes de uma criança e fracos quando se trata de aprendizado e capacidade intelectual.



A avaliação da dislexia precisa ser realizado por um técnico treinado, muitas vezes com um professor com experiência em ensinar crianças com dislexia, ou um psicólogo educacional (uma psicóloga, que é especializada em ajudar pessoas com dificuldades de aprendizagem).



Há uma série de métodos de avaliação diferentes, mas todos eles envolvem a criança participa de uma série de testes. Os testes não são simplesmente limitado às suas habilidades de leitura e escrita, mas também analisar outras habilidades, tais como:



desenvolvimento da linguagem,

vocabulário,

a capacidade de raciocinar logicamente,

memória e

a velocidade com que eles podem processar informação visual e auditiva.

Um diagnóstico da dislexia pode normalmente ser feito com confiança, mesmo que a leitura de uma criança e habilidades de escrita são pobres, mas as suas outras habilidades, como a sua compreensão da lógica, ou as suas habilidades verbais, não são afetados.



Uma vez que uma avaliação das habilidades de seu filho ter sido realizado, você receberá um relatório indicando não apenas seus pontos fracos, mas também os seus pontos fortes. Entender o que o seu filho é bom, e gosta, é um passo importante no desenvolvimento de um plano educacional que pode começar a resolver os seus pontos fracos.



Sob os termos do Disability Discrimination Act, todas as pessoas que estão na educação em tempo integral (sejam elas crianças ou adultos) têm direito a uma avaliação de dislexia.

Dislexia: Sintomas.



Os sintomas da dislexia pode variar de pessoa para pessoa, e cada pessoa com a doença terão um padrão único de pontos fortes e fracos.




Os sintomas da dislexia em crianças pequenas

Em alguns casos, pode ser possível detectar os sintomas da dislexia antes de uma criança começa a escola.



Os possíveis sintomas incluem:



um atraso ou dificuldade no desenvolvimento da fala clara,

misturar certas palavras e frases - por exemplo, dizendo "por mail em vez de" minha bola ",

sendo raramente desajeitada e descoordenada,

uma dificuldade em ser capaz de apreciar as rimas, por exemplo, eles não podem entender a conexão entre as palavras chapéu 'e' gato ', e

de ter problemas com closet, ou amarrar seus cadarços de sapatos.

Os sintomas da dislexia em crianças com idades compreendidas entre os 5-7 anos de idade

Os sintomas mais comuns da dislexia em crianças com idades compreendidas entre os 5-7 anos de idade incluem:



dificuldade em aprender o alfabeto,

incapacidade de ler, com exceção de algumas palavras simples,

tendo problemas para escrever corretamente,

dificuldade em dizer esquerda da direita,

problemas de lembrar seqüências simples, como os dias da semana, e

baixa capacidade de atenção e problemas de concentração.

Os sintomas da dislexia em crianças com idade entre 7-12 anos de idade

Os sintomas mais comuns da dislexia em crianças com idade entre 7-12 anos de idade incluem:



progressos pobres na escola, em comparação com seus colegas,

tornar-se frustrados com a escola, o que pode levar a problemas de comportamento, ou a eles se calmo e retraído,

incapacidade de aprender a tabuada, e

problemas seguintes instruções, ou lembrando mais uma coisa de cada vez.

Os sintomas da dislexia em adolescentes

Os sintomas mais comuns da dislexia em adolescentes incluem:



dificuldade em organizar o trabalho,

problemas de cópia, ou escrever abaixo, instruções,

dificuldade para a revisão, e lidar com os exames,

levando mais tempo do que a média para fazer trabalhos escolares, devido a dificuldades de leitura,

problemas persistentes com a ortografia ea escrita, e

graves dificuldades na aprendizagem de uma língua estrangeira.

A dislexia em adultos

Pode ser possível para alguém com dislexia para chegar à idade adulta sem a condição de estar devidamente identificados.



Sinais de que você pode ser disléxico incluem:



tentando evitar a leitura ea escrita, sempre que possível,

tentando esconder as dificuldades que você tem com a leitura ea escrita de outros povos,

soletração pobre,

má administração do tempo e habilidades organizacionais e

confiar na memória e habilidades verbais, ao invés de leitura ou gravação.

Dislexia:Tratamento


Não há cura para a dislexia, mas há uma série de métodos de ensino que pode ajudar as pessoas com dislexia superar suas dificuldades de leitura e escrita.




Tratando a dislexia em crianças

Se o seu filho for diagnosticado com dislexia, que irá exigir o ensino especializado. A quantidade eo tipo de ensino especializado de que vai precisar depende da gravidade de sua condição.



A maioria das crianças com dislexia só precisa perder algumas horas de suas aulas regulares a cada semana, a fim de receber especialista, um-para-um ensino. Uma minoria de crianças com dislexia pode precisar de ser transferida para uma escola especializada. Muitas destas escolas cobram uma taxa, embora o apoio financeiro pode estar disponível a partir de sua autoridade educativa local (LEA).



Há um número de diferentes abordagens educacionais para ensinar crianças com dislexia, mas todos eles sublinham seis pontos importantes. Ensino precisa ser:



Multi-sensorial - As crianças com dislexia aprendem melhor quando podem usar como muitos sentidos diferentes quanto possível. Um exemplo de ensino multi-sensorial é que criança é ensinada a ver a letra 'a', dizer o seu nome e do som, e escrevê-lo no ar (todos ao mesmo tempo).

Estruturado - Aulas precisam ser altamente estruturado com o desenvolvimento feito em pequenos passos, construindo sobre o que foi aprendido antes.

Cum - Habilidades são desenvolvidas de forma gradual, e os novos desafios são apenas introduziu uma vez fica claro que uma criança tem a confiança ea capacidade para os resolver.

Exaustivo - As crianças com dislexia precisa de revisão periódica e deve "overlearn" competências que já dominam até que automaticamente usar os sons corretos, cartas e regras de leitura e escrita.

Active - Cada aula tem que ter um propósito claro e ser composto de short, atividades variadas.

Úteis - As crianças precisam compreender a importância ea finalidade das suas lições, e sentir-se confiante que eles irão contribuir para o sucesso futuro em suas salas de aula.

Phonics

Phonics é uma técnica de ensino que é frequentemente utilizado para ajudar a ensinar, ou melhorar, a leitura em crianças com dislexia.



Em acústica, os sons que as letras representam, sublinhou, ao invés de apenas as próprias letras. Por exemplo, as crianças são ensinadas a ver a ligação entre palavras como 'curry', 'pressa' e 'preocupação', eo padrão correspondente de sons.



Crianças gradualmente começam a ligar-se o padrão visual das palavras do padrão auditivo de palavras.



Phonics costumava ser usado para ensinar todas as crianças, tanto aqueles com e sem dislexia, a ler, até que foi substituído por outros métodos. No entanto, nos últimos anos, o interesse em acústica como método de ensino tem aumentado, e um relatório recente do governo recomendou que um tipo de fonética, conhecido como fônica sintética, deve ser re-introduzidas nas escolas primárias.



Ajudar o seu filho

Como pai, você pode querer ajudar os seus filhos com a sua leitura, mas você pode estar incerto sobre a melhor maneira de fazê-lo. Abaixo estão alguns conselhos que podem lhe ser úteis.



Leia para seu filho - Isso vai melhorar seu vocabulário, compreensão oral, e vai incentivar o seu interesse pelos livros.

Leitura Share - Você quer ler alguns dos livros e, em seguida, discutir o que está acontecendo, ou o que poderia acontecer.

'Overlearning' - Você pode se cansar de ler o livro do seu filho favorito, uma e outra vez, mas a repetição irá reforçar a sua compreensão e construção de familiaridade com o texto.

Leitura silenciosa - As crianças precisam da oportunidade de ler sozinho, a fim de encorajar a sua independência e fluência.

Faça a leitura divertida - Leitura deve ser um prazer, não uma tarefa. Use livros que tratam de assuntos de seu filho está interessado, e certifique-se que a leitura ocorre em um ambiente descontraído e submisso.

Computadores

Muitas crianças com dislexia se sentir muito mais confortável trabalhando com um computador do que com um livro de exercícios. Isto pode ser porque um computador usa um ambiente visual que corresponde mais de perto o seu modo de pensar.



Programas de processamento de texto também são úteis, porque têm um corretor ortográfico, e um auto-instalação correta que podem ajudar a destacar os erros na escrita.



Existem também muitas aplicações de software educacional interativo que pode fornecer o seu filho com uma forma mais envolvente de ensinar um assunto, ao invés de simplesmente lendo um livro.



Cor sobreposições

Em 1980, um professor da Nova Zelândia, descobriu que crianças com dislexia poderia centrar-se melhor em uma página se uma sobreposição de cores foi colocada sobre ele.



Cor transparente sobreposições são mais disponíveis em lojas de papelaria, e pode beneficiar o seu filho se queixar de que as palavras parecem fora de foco ou 'dance sobre' quando estão tentando ler. Diferentes crianças respondem a diferentes cores, por isso vale a pena experimentar com um número de superposições, a fim de encontrar aquele que consegue o melhor resultado.



Vidros fumados também estão disponíveis a partir de um número de oftalmologistas especializados.



Tratando a dislexia em adultos

Boa parte dos conselhos e das técnicas utilizadas para ajudar as crianças com dislexia são também relevantes para os adultos.



Faça uso da tecnologia, como processadores de texto, agendas eletrônicas e, para ajudá-lo com a sua escrita, e organizar suas atividades diárias.



A melhor maneira de aprender alguma coisa é usar uma abordagem multi-sensorial. Por exemplo, você poderia usar um mini-disco, ou um gravador de MP3, para gravar uma palestra, e depois ouvi-lo enquanto você lê suas anotações.



É recomendável que você quebrar grandes tarefas e atividades em passos pequenos.



Se você precisa elaborar um plano, ou fazer anotações sobre um determinado tema, você pode achar útil criar um "mapa mental", ao invés de escrever uma lista. Mind Maps são diagramas que utilizam imagens e palavras-chave para criar uma representação visual de um sujeito, ou plano.



Você deve deixar o seu empregador saber que você tem dislexia como eles são obrigados por lei a fazer ajustes razoáveis para o local de trabalho, a fim de ajudá-lo.



Exemplos de adaptações razoáveis incluem:



fornecendo-lhe com a tecnologia de assistência, como o software de reconhecimento de voz,

permitindo-lhe tempo extra para as tarefas que você encontra particularmente difícil, e

fornecer-lhe informações em formatos que você encontra acessível.

outubro 19, 2009

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE DISLEXIA

2009 View IDA Flórida Programa da Conferência Sessions!





60th Annual International Conference IDA é frequentado por mais de 3.500 professores, educadores, administradores, especialistas em leitura, pesquisadores, professores universitários, psicólogos, médicos e professores e é considerado o principal conferência mundial sobre desenvolvimento profissional dedicada a dislexia.



Profissionais de todo o mundo irão partilhar com base em provas de investigação e métodos de ensino, os educadores que implementar os métodos de ensino em sala de aula.



Para ver o programa CONFERÊNCIA FLÓRIDA:
ENTRE NO SITE DA IDA.
 
http://www.interdys.org/index.htm
 





Clique em qualquer dia individual para ver / imprimir um pdf de sessões programadas para aquele dia.

Clique noformulário de inscrição impressopara fazer o download e imprimir um pedido de registo, bem comobolsaevoluntárioaplicações.

CliqueFICHA DE INSCRIÇÃOa visitar a nossa página de inscrição online.

FONTE DE PESQUISA:
About The International Dyslexia Association (IDA)

outubro 17, 2009

DISLEXIA - A pesquisa vai contribuir para entender melhor .



"É uma ótima notícia", comenta o neurocientista Sidarta Ribeiro, do Instituto Internacional de Neurociência de Natal (IINN). Ele aponta que o estudo questiona a crença de que deficiências na aprendizagem poderiam ser explicadas pela atrofia de alguma região do cérebro. O trabalho inverte a relação: a atrofia seria causada pela falta de instrução. "O artigo comprova que a alfabetização pode reverter esse processo mesmo em cérebros adultos", afirma Ribeiro.




DISLEXIA - A pesquisa vai contribuir para entender melhor doenças como a dislexia. Estudos mostraram que disléxicos possuem menos substância cinzenta e branca nas regiões que se desenvolvem com a alfabetização. O novo trabalho sugere que tais diferenças podem ser mais uma consequência da dislexia do que sua causa.



Outro resultado interessante questiona um consenso construído sobre uma área do cérebro chamada giro angular. Há 150 anos cientistas sabem que essa região é importante para a leitura. "A visão tradicional apresentava o giro angular como um dicionário que traduzia as letras da palavra em um significado", explica Cathy. "Mostramos que seu papel é tentar antecipar o que vamos ler - de um modo semelhante à função que tenta prever o resto da palavra quando escrevemos algo no celular."

 
Ex-guerrilheiros colombianos participaram de uma pesquisa para identificar as regiões do cérebro relacionadas à alfabetização. O estudo, publicado nesta quarta-feira (14) na revista científica "Nature", reuniu 42 voluntários de ambos os sexos. A maioria era de combatentes que abandonaram a luta armada e chegaram à idade adulta sem saber ler e escrever. Donas de casa, oriundas de um contexto socioeconômico semelhante, completaram o grupo estudado.




Pesquisadores espanhóis, colombianos e ingleses dividiram os voluntários em dois grupos: aqueles que aprenderam a ler depois de adultos - 20 indivíduos com idade média de 31 anos - e aqueles que nunca participaram de nenhum projeto de alfabetização - 22 pessoas com idade média de 33 anos.



O estudo optou por analisar adultos, pois, na infância, o aprendizado da leitura concorre com a aquisição de outras aptidões. Torna-se quase impossível isolar as mudanças no sistema nervoso central decorrentes da alfabetização daquelas observadas quando alguém aprende a jogar futebol ou assimila uma nova regra social.



"Trabalhar com ex-guerrilheiros colombianos foi uma oportunidade única para descobrir como o cérebro muda ao adquirir a aptidão da leitura", afirmou, em um comunicado, a pesquisadora Cathy Price, da University College London, coautora do estudo, financiado pela farmacêutica Wellcome Trust e pelo Ministério da Educação e Ciência da Espanha.



Um equipamento de ressonância magnética registrou imagens dos cérebros dos voluntários e os cientistas identificaram as diferenças presentes nos dois grupos. Descobriram que os adultos alfabetizados experimentavam um aumento na densidade da substância cinzenta - responsável pelo processamento das informações - em várias áreas do lado esquerdo do cérebro, onde ocorre o reconhecimento das letras e sua tradução em sons e significados. Também foi observado um fortalecimento das conexões na substância branca - responsável pela transmissão dos impulsos - entre as diferentes zonas de processamento.

outubro 13, 2009

Imprensa Internacional


Newsweek Cover Story:


Dislexia ea Nova Ciência da Leitura



Milhões de crianças de outra maneira brilhante luta com palavras, mas recentes pesquisas sobre o cérebro mostra que há esperança, se os pais e os professores sabem o que procurar.





Por Barbara Kantrowitz e Anne Underwood

Newsweek, 22 de novembro de 1999



(...)
Até recentemente, dislexia e outros problemas de leitura eram um mistério para a maioria dos professores e dos pais. Como resultado, muitas crianças passaram pela escola sem dominar a página impressa. Alguns eram tratados como deficiente mental, muitos ficaram de analfabetos funcionais, incapazes de encontrar sempre o seu potencial. Mas nos últimos anos, diz o pesquisador de Yale Sally Shaywitz, "houve uma revolução no que aprendemos sobre a leitura ea dislexia". Cientistas como Shaywitz e Berninger estiver usando uma variedade de novas técnicas de imagem para ver o cérebro em funcionamento. Seus experimentos mostraram que os transtornos de leitura são provavelmente o resultado daquilo que é, com efeito, a fiação defeituosa no cérebro, não a preguiça, a estupidez ou um ambiente familiar pobre. Há também provas convincentes de que a dislexia é herdada em grande parte, os cientistas identificaram quatro cromossomos que podem estar envolvidos. A dislexia é hoje considerado um problema crônico para algumas crianças, não apenas uma "fase". Os cientistas também descartado outro estereótipo de idade, que quase todos os disléxicos são meninos. Estudos indicam que muitas meninas são afetadas tão bem e não obtive ajuda.




Ao mesmo tempo, pesquisadores em educação vêm-se com estratégias inovadoras de ensino para as crianças que estão tendo problemas para aprender a ler. Novos testes de triagem são identificar crianças em risco, antes de começar desanimado por anos de frustração e fracasso. E os educadores estão tentando passar a mensagem aos pais que eles deveriam estar em alerta para os primeiros sinais de problemas potenciais.



É uma missão urgente. Alfabetização em massa é uma meta social relativamente novo. Cem anos atrás as pessoas não precisam de ser bons leitores, a fim de ganhar a vida. Mas na era da informação, ninguém pode passar sem saber ler e entender bem material cada vez mais complexas. Essas habilidades não são facilmente para cerca de 20 por cento das crianças. Nem todos esses jovens são disléxicos. Os pesquisadores agora pensam que a dislexia representa o fim de baixo de um continuum da habilidade de leitura. As estratégias de ensino que os disléxicos de ajuda, os deficientes mais graves, estão também a ajudar as crianças que necessitam apenas de um pouco de atenção extra.



Estas mudanças dramáticas não chegar em breve. Durante anos as pessoas pensaram dislexia estava enraizada nas primeiras pesquisas. Dislexia foi descrita pela primeira vez há 100 anos por W. Pringle Morgan, um médico de clínica geral em Sussex, Inglaterra. Em 1896 ele publicou um artigo no British Medical Journal sobre um 14-year-old boy chamado Percy, que foi "rápido em jogos e em nada inferior aos outros da sua idade", exceto que ele era incapaz de ler. Porque Percy e outros como ele teve problemas com palavras escritas, não com a língua falada, assumiu-se que o problema era visual. A dislexia foi entregue aos médicos oftalmologistas, que tentou ensinar as crianças disléxicas usando letras em tamanho especial e palavras.



Isso não ajuda em nada porque a maioria dos disléxicos ver, bem como qualquer outra pessoa. Mas eles têm dificuldade para puxar palavras distante em seus sons constituintes, o que os cientistas chamam de fonemas. Estes são os segmentos de menor perceptível do discurso, há mais de 40 deles no idioma Inglês. Para entender como esse processo funciona, Shaywitz usa o exemplo da palavra "gato", que é composto de três fonemas: "Kuh" aah "e" tuh ". A maioria das pessoas entendem isso, mas disléxicos podem ouvir apenas "gato", um som. Como resultado, eles não podem sondar as palavras, o primeiro passo na leitura. A maioria das pessoas por esta raça soando-out fase e torna-se um processo automático, essencialmente inconsciente, parte da leitura. Disléxicos ficar preso no portão de partida porque eles não podem fazer a ligação entre o símbolo eo som.



Os investigadores estão recebendo uma visão mais clara de porque isto está acontecendo, utilizando novas técnicas de imagem. As varreduras do cérebro estão mostrando agora que quando disléxicos tentar decifrar palavras, certas áreas na parte posterior do cérebro são subativado, enquanto outras áreas da frente são superativado. Na edição de setembro do American Journal of Neuroradiology, Berninger e seu colega Todd Richards relatou em um estudo em que examinou o cérebro dos disléxicos seis e sete meninos não disléxicos executar três tarefas diferentes: dizer dois tons musicais à parte, distinguindo o real em palavras faladas absurdo e escolher as rimas sílabas. A única diferença foi na tarefa de rima. Disléxicos marcou significativamente inferiores e exames mostraram que as regiões na frente de seus cérebros estavam em overdrive. Isto sugere que os disléxicos têm que trabalhar muito mais difícil de analisar os padrões de som. O som de saída processo não foi eficiente.



Shaywitz e seu marido, Bennett (co-diretores do NICHD-Yale Centro para o Estudo da Aprendizagem e atenção), estão usando ressonância magnética funcional (fMRI) para monitorar o fluxo de sangue através do cérebro. As áreas que recebem a maioria de sangue estão trabalhando o mais duro. No ano passado, publicado na revista Proceedings da Academia Nacional de Ciências, que viram um padrão similar de aumento da atividade na parte frontal do cérebro, uma área que é conhecida a governar produção da fala. "O que acredito é que os disléxicos estão tentando encontrar uma outra maneira de chegar ao som da palavra", disse Sally Shaywitz, talvez por dizer palavras em suas respirações. Esta poderia ser uma causa da dislexia: caminhos ineficientes no cérebro.



Devido a esta pesquisa, os cientistas têm agora uma melhor compreensão da linguagem como nós processo de escrita. O que estamos percebendo é que aprender a ler não é um processo natural como aprender a falar. "A fala é uma habilidade biologicamente hard-wired", diz Reid Lyon, chefe de desenvolvimento da criança e ramo de comportamento do Instituto Nacional de Saúde Infantil e Desenvolvimento Humano (NICHD). "Quase todos os seres humanos adquiri-lo da mesma maneira. Coo Eles, então eles balbuciam, use palavras simples, em seguida, colocar duas palavras juntas." Os cientistas estimam que a capacidade de usar a fala é pelo menos 100.000 anos, enquanto a linguagem escrita é apenas cerca de 5.000 anos de idade. Porque a língua escrita é tão novo, o aprendizado não está em nossos genes, temos que ser ensinado.

(...)
Dois pesquisadores da Universidade de Louisville, Victoria e Molfese Dennis, estudaram as ondas cerebrais de crianças e comparou-os com as competências de leitura das crianças na mesma 8. Em um relatório divulgado no início deste ano, o Molfeses disseram que achavam que as crianças que mais tarde teve problemas na leitura respondeu um pouco mais lentamente a uma série de sílabas gravada, talvez porque eles foram de processamento não soa de forma eficiente.




Ninguém sabe realmente como o Molfeses «conclusões se encaixam no quadro maior. Alguns pesquisadores acreditam que esses atrasos se correlacionam com outro preditor-chave de leitura do problema, a falta de uma habilidade chamada "nomeação rápida", recuperando rapidamente os nomes das letras e números muito familiar. "O que estamos medindo", diz Joseph Torgesen, um psicólogo educacional na Universidade Estadual da Flórida, "é a rapidez com que uma criança pode fazer uma ligação entre um símbolo visual e seu equivalente falado." Essa habilidade é essencial para a leitura. Maryanne Wolf, diretor do Centro para a leitura e pesquisa de linguagem na Tufts University, acredita que a diferenciação de som e velocidade de nomeação poderia ser separado causas da dislexia, o que ela chama de "déficit duplo".



Um programa que tem provado ser eficaz é o que torna os alunos a identificar os sons como se sentem ao dizer-lhes. Consoantes recebem nomes de acordo com os movimentos envolvidos na realização deles. Por exemplo, "P" é um popper lábio ", porque os lábios começam juntos e vão além. Isto dá aos estudantes uma outra maneira de reconhecer sons da letra. Uma razão para isso pode funcionar é que ajuda disléxicos superar esse obstáculo inicial, sua incapacidade de quebrar as palavras para baixo. Eles podem não ser capazes de distinguir a componente de sons em uma palavra, mas eles podem sentir a boca fazendo movimentos distintos e separados. Os pesquisadores estão tentando agora descobrir se esse tipo de treinamento pode produzir mudanças no cérebro dos disléxicos.



Ao seleccionar um programa para seus filhos, Shaywitz aconselha os pais e professores a olhar para os programas que enfatizam a quebrar as palavras em sons, o que os pesquisadores chamam de "consciência de fonemas." "Crianças disléxicas precisam de ajuda muito intenso e específico" nesta área, diz ela. O segundo ingrediente chave é aprender as letras que vão com esses sons ou fonética, que Lyon chama de "inegociável ... Você tem que aprender isso". O final é essencial a prática constante, com histórias interessantes para desenvolver a fluência, vocabulário e compreensão. Enquanto estes são elementos de qualquer programa de boa leitura, a diferença está na intensidade e clareza para os disléxicos.



Os pesquisadores estão usando essas informações, recolhidas a partir das novas pesquisas sobre o cérebro, a revolucionar a forma de leitura é ensinado a todos os alunos. O principal obstáculo é que muitos professores em sala de aula são lamentavelmente undertrained nas novas técnicas. "Ensinar a ler é ciência de foguete ", disse Louisa fossos, pesquisador NICHD." Nossa profissão tem subestimado quanto e que tipo de formação de professores precisam. "Nos últimos dois anos, fossos tem trabalhado com algumas escolas de Washington, DC, público com um grande número de alunos que podem estar em risco porque vêm de lares de baixa renda, e não tiveram muita exposição de livros. Seu currículo inclui lotes de rimas, canções e jogos, bem como atividades hands-on. Até o final do primeiro anos, os administradores foram surpreendidos ao descobrir que quase todos os seus kindergartners estavam começando a ler.



Até as crianças mais receber essa oportunidade, boa parte da carga vai continuar a recair sobre os pais. Mas há muita coisa que pode fazer mesmo antes de os seus filhos estão na escola. Os jogos de linguagem como porco latim Atinlay (Igpay) reforçar a capacidade de manipular sons em palavras. Outra ferramenta boa: quase tudo por Dr. Seuss, por causa das rimas e trocadilhos nos textos. Evidentemente, isso não é garantia de sucesso, mas a pesquisa mostra consistentemente que as crianças que estão expostas a rimas são mais propensos a ouvir os sons individuais da linguagem. Quando os filhos começam jardim de infância, os pais devem estar atentos aos sinais que as crianças estão ficando para trás. Obter ajuda nem sempre é fácil, os pais têm que ser defensores agressivos.



Susan Hall, agora presidente do ramo de Illinois, no International Dyslexia Association e co-autor (com Louisa Moats), do "Straight Talk About Leitura", iniciado no caminho que cinco anos atrás, quando seu filho Brandon foi na primeira classe. Ela sabia que algo estava errado, porque ele não quis falar sobre a escola e parecia demasiado ansioso para chegar a casa quando peguei ele no final do dia. Então ela ofereceu-se como um assessor do pai. O que ela viu era perturbadora. "As crianças deveriam ler em voz alta", lembra ela. "Quando ouvi o primeiro filho, eu sabia que ela poderia ler muito melhor do que meu filho pudesse ler. Quando chegou sua vez, ele ficou arrasado. Isso me permitiu abrir a porta e falar sobre o que estava incomodando."



Hall pediu para ter Brandon testadas na escola, mas, diz ela, "eles disseram que não poderia fazê-lo porque ele não era um ano atrás ainda" uma exigência em muitos distritos que o tempo miúdos custos valioso. Encontrar um bom diagnosticador revelou-se difícil. Depois de dois tutores não deu certo, Hall decidiu estudar por conta própria. Um MBA em Harvard, ela parar de trabalhar e fez corrigir problemas de Brandon sua causa. "No primeiro ano, eu levei três cursos de pós-graduação em leitura em nosso colégio professores locais, voou ao redor do país para atender 10 conferências e leitura de 25 livros sobre o assunto." Ela ficou impressionada com os oradores de uma conferência da Associação Internacional Dislexia e Brandon levou a um professor que usou sua abordagem. Ajudou, mas Brandon ainda tinha problemas. Finalmente, "a um custo enorme para a minha família", Brandon Hall levou a um na Califórnia, onde ele finalmente fez uma descoberta. Brandon, agora na sexta série, é um leitor muito bom, sua mãe diz, "mas seus problemas continuam, por escrito, a ortografia, francês e ah, sim, ainda temos álgebra frente."



Brandon Hall deu o que as crianças disléxicas mais precisam, o suporte emocional para permanecer positivo sobre a escola. Mas suas experiências não deixaram os seus sentimentos frustrado e irritado, partilhada por muitos outros pais que foram deixados para encontrar uma resposta por conta própria. "Esta é apenas uma maneira muito difícil", diz ela. "Você faz o que você acha que é melhor e esperar que a investigação não sai mais tarde mostrando-lhe deveria ter feito outra coisa. Temos de tornar este processo muito mais fácil." Esse é um objetivo compartilhado por todos os interessados em desvendar os mistérios da dislexia a investigadores, professores, pais e acima de tudo, as próprias crianças.



Com Pat Wingert

© 1999 Newsweek, Inc.

FONTE DE PESQUISA:
http://www.lindamoodbell.com/press/newsweek-dyslexia.Aspx

outubro 12, 2009

RONALD D. DAVIS - BIOGRAFIA

RONALD D. DAVIS - BIOGRAFIA





Demorou Ron Davis 38 anos de luta pelo respeito a si mesmo como um ser humano completo. Nascido profundamente autista, ele sofreu abusos diários em casa e foi marcado com retardo mental na escola. Então, contra todas as probabilidades, ele de alguma maneira emergiu de um vazio de isolamento para o mundo real em dez anos. Até o momento ele tinha dezessete anos, seu QI testado em 137.



Com a idade de dezoito anos, fonoterapia permitiu que Ron falar de forma coerente, mas infelizmente ele ainda era incapaz de ler, porque ele também foi severamente disléxicos. Ele permaneceu funcionalmente analfabeta até a idade de trinta e oito anos e, embora ele alcançou o sucesso como engenheiro e empresário na época, ele estava se escondendo de todos em torno dele o fato de que ele não sabia ler nem escrever.



Então, em 1981, ele realizou um experimento sobre suas próprias percepções, que modificou profundamente a forma como ele experimentou a realidade. Esta descoberta seminal que lhe permitiu controlar a distorção involuntária perceptiva que estiveram na origem da sua dislexia. Pela primeira vez em sua vida, ele foi capaz de ler um livro de capa a capa, sem dificuldades.



Ouça mais sobre sua vida ea descoberta de que lhe permitiu corrigir a sua percepção:








Pretendendo investigar seu sucesso pessoal em superar seu problema de leitura de vida longa, ele experimentou com vários adultos disléxicos que experimentaram alívio imediato similares de seus sintomas disléxicos. Em 1982, com a ajuda de psicólogo educacional, Dr. Fátima Ali, ele pesquisou e desenvolveu um programa intensivo de uma semana de aconselhamento para corrigir a dislexia em adultos e crianças, e abriu as portas da leitura do Conselho de Pesquisa em Burlingame, Califórnia. Ele não olhou para trás desde então.




Métodos de Davis treinamento, conhecido como Davis Dyslexia Correction, agora estão mudando a cara da educação especial e tratamento da deficiência de aprendizagem em todo o mundo. O único aspecto de seu trabalho é uma série de exercícios de percepção e cinestésico chamado Aconselhamento Orientação, que ensinam os alunos disléxicos como reconhecer e controlar o estado mental que leva a percepções distorcidas e confuso de letras, palavras e números. Além disso, ele desenvolveu processos criativos de aprendizagem chamado Symbol Mastery e exercícios de leitura original, que permitem que os alunos disléxicos para aprender a ler com fluência e compreensão plena. Hoje, existem mais de 400 Facilitadores licenciado Davis Davis em todo o mundo oferecendo programas em 40 países e 30 línguas.



Em 1994, ele escreveu e publicou The Gift of Dyslexia para atender a demanda contínua por parte dos pais e educadores para um livro que detalha os métodos Davis Dyslexia Correction. Na Primavera de 1995, foi publicado em Inglês, francês, alemão, holandês e espanhol. Hoje, ele é publicado em 18 idiomas. Trata-se www.amazon.com 's número um best-seller sobre o tema da Dislexia.



Em 2003, ele escreveu e publicou The Gift of Learning sobre seus métodos de correcção matemática (discalculia), escrita (disgrafia) e atenção (ADD) dificuldades.








Davis Dyslexia Association International (DDAI) foi fundada em setembro de 1995 por Ron Davis e Alice.



Seus objetivos são aumentar a consciência mundial sobre os aspectos positivos da dislexia e relacionados com dificuldades de aprendizagem e apresentar métodos para melhorar a alfabetização. DDAI é atingir esses objetivos através de turnês internacionais Ron Davis palestra, workshops para professores, pais e terapeutas, programas de certificação e licenciamento, Seu site de alto perfil www.dyslexia.com e no seu boletim trimestral internacional, O leitor Dyslexic.



Hoje, Ron Davis é Diretor Executivo do Reading Research Council em Burlingame, Califórnia, Presidente da Fundação de Pesquisa Davis e é conhecida internacionalmente como um líder na borda pesquisador e advogado no domínio da aprendizagem. Ele está atualmente pesquisando e desenvolvendo novos métodos para tratar autismo.



Visite www.dyslexia.com Para mais informações sobre técnicas de Ron Davis 'ou encontrar um licenciado Davis Facilitador perto de você!



Registre-se para uma palestra perto de você!
 
 
 

A dislexia é um dos estilos mais incompreendidos aprendizagem no panorama educacional de hoje. Ela significa literalmente "a dificuldade com as palavras", ea maioria das pessoas associam a dislexia com a inversão carta e problemas de leitura.




No entanto, a dislexia na verdade deriva de um estilo de pensamento criativo e abrange um guarda-chuva muito maiores desafios de aprender, muitas vezes rotulado como dificuldades de aprendizagem nas escolas. Eles incluem, mas não estão limitados a:



Transtornos de Déficit de Atenção (ADD / ADHD)

Language-Based Learning Disability

Distúrbio do Processamento Auditivo

Visual Processing Disorder

Reading Disability

Aprendizagem Específica

Consciência fonêmica Deficiência

Discalculia matemática ()

Dispraxia (coordenação / balanço)

Disgrafia caligrafia ()

Dislexia produz uma série de sintomas diferentes, ou características. Nem todos os disléxicos são iguais, mas, em geral, eles compartilham um similar pensamento / estilo de aprendizagem. Eles são visuais e multi-dimensional pensadores. Eles são criativos, imaginativos e excel em hands-on learning. Porque eles pensam primeiramente em "imagens", às vezes é difícil entender as letras, números, símbolos e palavras.



A boa notícia é que os disléxicos podem aprender a ler, escrever e estudar de forma eficaz com os métodos que incidem sobre os talentos da sua visual-espacial estilo de aprendizagem!



As estatísticas mostram que de dez a quinze por cento do total da população tem sintomas de dislexia, ou este tipo de pensamento / estilo de aprendizagem. (O percentual pode ser realmente elevado, uma vez que muitas pessoas não são diagnosticados.) Na verdade, alguns dos mais de nossa cultura pessoas talentosas são conhecidas por serem disléxicas - como é verdade para muitos pioneiros em ciência, tecnologia, física, esportes e artes.



Em seu livro inovador, The Gift of Dyslexia, © 1994, Ronald D. Davis explica uma nova perspectiva de dislexia focalizando sua positivo, aspectos criativos. Ele também descreve as técnicas que ele desenvolveu para superar seus próprios conflitos - tendo vivido a experiência da dislexia severa si mesmo.



"A dislexia não é o resultado de dano cerebral ou danos nervosos. Tampouco é causada por uma malformação do cérebro, do ouvido interno, ou os globos oculares. Dislexia é um produto do pensamento e de uma maneira especial de reagir ao sentimento de confusão." - Ronald D. Davis

Essas idéias profundas, e os métodos revolucionários do Programa Davis ® tem ajudado milhares de pessoas em todo o mundo para compreender o seu próprio estilo de aprendizagem e, finalmente, apreciar o sucesso na aprendizagem!

Lidando com a dislexia


Por Oakville Beaver




Ronald D. Davis, uma vez marcado com retardo mental por causa de seu autismo e dislexia severa, é hoje um especialista em dislexia e estará falando em Oakville amanhã.



Davis irá contar a sua história pessoal no Le Dome na quinta-feira, 10 setembro 7-9 p. m.



Davis relata que a dislexia é o resultado de uma maneira altamente visual-espacial de pensar, não uma disfunção neurológica, como muitos acreditam.



Desde disléxicos pensar em imagens, eles lutam para fazer o sentido das palavras e símbolos para os quais eles não têm imagens mentais. Eles podem pensar facilmente (e, portanto, ler e escrever) palavras como gato, elefante, ou uma motocicleta. No entanto, eles são confundidos por palavras tais como, ou qual.



A confusão leva a um estado de desorientação em que a percepção não é preciso. Percepção imprecisa está na base da dislexia, segundo Davis.



Sua própria experiência o levou a criar o Programa de Davis Dyslexia Correction e estabelecer Davis Dyslexia Association International. Seu livro, The Gift of Dyslexia, está agora disponível em 19 línguas, e há mais de 700 Davis facilitadores em todo o mundo, incluindo três em Oakville.



Davis palestra irá abordar os antecedentes e desenvolvimento dos métodos de correção Davis Dyslexia, como disléxicos pensar e aprender e por que é um dom, como a dislexia desenvolve e como ela pode ser corrigida.



Freitas defende que os disléxicos são mais ambientalmente consciente e curiosos que a pessoa média.



Shier Julia é uma estudante de Oakville, que descobriu a emoção de aprender a ler The Way Davis com facilitador Cathy Dodge Smith.



Shier estava tão animado com o fim de seu programa de uma semana que ela foi para a escola e disse a seu professor e seus colegas tudo sobre seu dom da dislexia.



"Eu acho que realmente melhorou minhas habilidades de leitura e matemática do programa ajudaram a manter-me na mesma página, como meus colegas. Agora me sinto muito mais confiante sobre a escola. Minha ligação me ajuda a controlar quando eu posso ser bouncy e indisciplinado e quando eu posso me acalmar e ir dormir. Meu foco me ajuda a permanecer na pista. Eu gosto de minha mente, porque eu posso movê-lo onde eu quiser a qualquer hora em qualquer lugar. Mesmo que eu sou diferente, sou feliz por ser diferente, porque eu posso ver as palavras em imagens assim que as histórias vêm à vida quando eu lê-los. Eu estou realmente contente que eu estou indo se encontrar com Ron Davis ", disse Shier.



Com sua amiga Emily Walsh, as duas meninas têm datas de argila para trabalhar em seu Davis trabalho de acompanhamento junto. Estes modelos de argila ajudar as meninas compreender os significados de palavras abstratas para que eles possam ler e escrevê-los.



Para mais informações: www.rondavislectures.com




Fonte: http://www.oakvillebeaver.com/news/article/278329



Por favor, compartilhe essa notícia com amigos, familiares e também com a sua lista de contatos no Twitter, Facebook e MySpace.

Então, como diagnosticar a dislexia?

Diagnóstico

Os sintomas que podem indicar a dislexia, antes que seja feito um diagnóstico multidisciplinar, só indicam um distúrbio de aprendizagem, mas não confirmam a dislexia. Os mesmos sintomas podem indicar outras síndromes neurológicas ou comportamentais.
Identificado o problema de rendimento escolar ou sintomas isolados, que podem ser percebidos na escola ou mesmo em casa, deve-se procurar ajuda especializada.
Uma equipe multidisciplinar formada por: Psicóloga, Fonoaudióloga e Psicopedagoga Clínica deve iniciar uma minuciosa investigação. Essa mesma equipe deve ainda garantir uma maior abrangência do processo de avaliação, verificando a necessidade do parecer de outros profissionais, como Neurologista, Oftalmologista, Otorrinolaringologista e outros, conforme o caso.A equipe de profissionais deve verificar todas as possibilidades antes de confirmar ou descartar o diagnóstico de dislexia. É o que chamamos de AVALIAÇÃO DIFERENCIAL MULTIDISCIPLINAR.

PORQUÊ.... SOMOS DIS !??

PORQUÊ.... SOMOS DIS !??

COMO É A VIDA DE UMA PESSOA COM DIS...

PORQUÊ, SOMOS DIS !!!

Saiba , que entendo muito bem , quando vc fala (mal sabem eles o que tenho de fazer para chegar ate onde cheguei.... ´´e horrivel para mim. Agora vou ter que enfrentar um exame da ordem. Nao sei se mostro que sou dislexica ou nao para fazer a prova. Tenho que decidir, gostaria que vcs me orientasse o que devo fazer) vou te dar varias razões, para você não esconder que é dislexica, e outras tantas mais para você se cuidar e se respeitar em quanto há tempo. Seja quem você realmente é !!! Não seja preconceituosa com você mesma , como eu fui, por pura falta de conhecimento , coisa que você já tem.
e o mais importante ...tem a conciência dos seus direitos como cidadã. O meu conselho é: exerçar seus direitos e cumpra seus deveres, como ser pensante e atuante na nossa sociedade.

como vc sabe , também sou dislexica, mas só tive conciência do que estava acontecendo comigo, depois que ...já tinha meu emocional todo comprometido.
E mesmo assim , tive que passsar por mentirosa, pois já havia passado em um concurso publico, atuava como professora alfabetizadora e estava fazendo uma graduação em pedagogia. E te digo ...só eu e deus, sabia o que eu escondia !!!
Vivi toda minha vida com medo, e com vergunha , quando alguèm percebia meus erros ortograficos ,minha total incapacidade de escrever ao mesmo tempo que outra pessoa falava, não consiguia anotar as informações.
Com tudo isto, fui desfaçando para conseguir viver neste mundo letrado!!!
Até que minha mente e meu corpo , não suportou o estress!!! E tudo ficou encontrolavel, entrei em um processo de depressão, ansiedade e hiperatividade , altissimo.
Foi quando , fui em busca de ajuda medica. Sem saber o que eu escondia...os profissionais de saúde, se desdobraram em busca de explicações para o meu estado de saúde. Cada um chegou a um diagnostico conclusivo.
O psiquiatra, depressão e asiedade, que deveria ser trabalhada com terapia e medicação. A psicologa, hiperatividade causada por meu comportamento obcessivo de perfeição, e fata de confiança, deveria tentar me concentrar melhor no presente. O reumatologista, para ele eu estava com fibromialgia e outras coisas, causadas pelo estress, elevado, seria necessario procurar auternativas de relaxamento, e medicação. Fiz , hidroterapia, acupuntura, rpg , caminhada, cessão de relaxamento mental, com os psicologos, participei de programas para levantar minha auto-estima. Mais nada adiantava...tive outros sintomas, como gagueira, que foi trabalhado com a fonaldiologa. Labirintite, refluxo, que foram tratados por medicos da aréa, especialistas.
Depois tive problemas na visão, ai foi que tudo se entrelaçou, o oftalmologista , pedio um exame para descartar , adivinha o que?
Esclerose multipla....ai na resomância deu possitivo!!! E tudo levava a crer, neste diagnostico, quando se juntava tudo o que estava acontecendo com o meu corpo!!!
Pensa que acabou por ai!!?? Não! Tudo só estava recomeçando...
Mas paralelo a tudo isto, que vinha se passando, eu não parei de estudar, herá ponto de hora!!Para mim!! Fiquei de licença do trabalho , para tratamento, e ainda tive que enfrentar a doença da minha mãe que estava com o diagnostico de câncer. E meus filhos confusos e em plena adolecência. Eu estava completamente perdida!!!! Sem estrutura emocional, e sem controle cognitivo, esquecia as coisas , chorava muito,comecei a escrever e ler com muito mais dificuldades , já estava saindo da realidade, que me parecia um pesadelo!!
Mas, como uma boa dislexica, até então sem saber, não deixei de lutar contra o mundo. E quando estava fazendo minhas pesquisas para o trabalho do tcc, para conclusão do curso de graduação em pedagogia, sobre o tema que mais mim encomodava, os erros ortograficos em sala de aula e a visão do professor, quanto os problemas de aprendizagem. Por acaso, entrei no site da associação brasileira de dislexia, e quando estava lendo um depoimento de um dislexico adulto!!! O chão se abriu e o céu também...e as coisas foram tendo sentido, minha vida tava fazendo sentido. Eu estava diante , de uma explicação para a minha total "burrice"!!! Diante dos meus maiores medos, das minhas grandes vergunhas, das minhas piores dificuldades, e de tudo o que eu fazia questão de esconder, que erá a minha incompetência, diante do desafio de ler e escrever!!!
Mas o que eu julgava ter diante de me, toda solução para explicar todos as minhas angustias, sem fundamento , porquê , agora haveria uma razão. Senti meu esprírito leve, despreoculpado, pensei, agora não vou mais ter que mentir , tenho que revelar o meu maior segredo, e só atravez desta revelação serei liberta do medo, da vergunha, desta vida prisioneira da culpa de ser o que eu herá!!!
Bem , caros colegas, as coisas não foram, e não são tão faceis deste jeito que pensei...todos os profissionais de saúde que estavam , cuidando do meu equilibrio, duvidaram da minha verdade. Passaram a olhar , para me, como se eu estevesse, louca...e se perguntavam!!???
E questionavam, como eu tinha dislexia e tinha chegado onde cheguei sem ajuda!!??? Como eu saberia ler e escrever !!??? Porquê, e como poderia ter escondido isto!!!?? Bem , as respostas para estas perguntas, só eu e deus sabe o que tive que fazer,e tive que reunir forças,buscar conhecimento para meus argumentos e levanta uma quantia em dinheiro, para ir até são paulo, o unico lugar , onde teria profissionais seguramente competêntes para fazer o diagnostico, porquê todos os outros se mostravam completamente impossibilitados para assinar um laudo fechado de um diagnostico sobre dislexia.
E neste exato momento , luto contra todos os mesmos, sentimentos e há todos os mesmos pré-conceitos. E tenho que usar os mesmos meios para continuar sobrevivendo. Mas com uma diferênça fundamental,hoje já não tenho tanta vergonha de escrever errado, entendi que isto não mim tira o direito de ser respeitada e que sou competente e capaz .
Imagina ser ...professora alfabetizadora, pedagoga e atualmente estou fazendo pós- de psicopedagogia. Se tenho dificuldades...claro!! Se vejo discriminação nos olhos de muitos ...simmm!!! Fui aposentada pelo governo do distrito federal, por razões óbvias, que já não tenho forças para questionar.

Mas o que mais importa é que dessidi ir á luta, por mim e por nós!!

Quero que todo disléxico assuma sua condição, não somos doentes para procurar há cura...devemos ir a procura do entendimento do nosso ser pensante e atuante , diante desta sociedade letrada e preconceituosa.

Abjncrção!
Elizabete aguiar.
Perfil profissional:
Profª Elizabete M. Rodrigues R. da R. Aguiar.
Graduada em Pedagogia – UNB.
Especialização em Psicopedagogia Reeducativas Clínica e Institucional –UniEvangelica
Especialista e Neuropedagogia e Psicanálise – FTB.
Dir. Adm. Adjunta da Associação de Psicopedagogia – ABPp- Seção BRASÍLIA.
Profª da Secretaria de Educação do Governo do Distrito Federal – GDF.
Consultoria e Assessoria em Psicoeducação.