fevereiro 16, 2009

Dislexia tem tratamento


O livro recém-lançado João, preste atenção!, de Patrícia Secco, traz a história de um garoto de nove anos que aprende a lidar com a dislexia e se torna bom aluno.
Doença perceptível na alfabetização pode ser contornada; é só prestar bastante atenção!

por Karen Borowski
[12/09/2006]


Seu filho costuma ler devagar, silabadamente, e está abaixo da escolaridade normal? Esses sintomas podem dizer que ele é disléxico. Dislexia não tem nada a ver com incapacidade intelectual.

A dislexia é uma doença comum, que, como outras, podem ser tratadas. Seus primeiros indícios costumam estar relacionados ao atraso de linguagem, à troca de letras na fala e à dificuldade na nomeação. Na pré-escola, as crianças disléxicas costumam apresentar dificuldades em aprender os nomes das letras e das cores e em pronunciar as palavras.

Estudo realizado pela médica Sally Shaywitz, da Universidade de Yale [EUA], mostra que os disléxicos possuem um sistema neural diferente para leitura. Os disléxicos sub-ativam a parte posterior do cérebro e tendem a superativar as áreas frontais. Os não-disléxicos respondem melhor ao estímulo da leitura e ativam mais rapidamente a área posterior.

O IDA [International Dyslexia Association] apresentou a definição mais recente que se usa para tratar da dislexia. Baseada em dados de 2002, a associação conceitua a doença como um distúrbio de aprendizagem que tem origem neurobiológica, que se caracteriza pela dificuldade de reconhecer com precisão ou fluência as palavras e pelo fraco desempenho ortográfico e de decodificação

Essas dificuldades em geral resultam tanto de um déficit inesperado – se comparando as outras capacidades cognitivas – no componente fonológico da linguagem quanto da fala de um ensino eficaz em sala de aula. As conseqüências secundárias podem incluir problemas na compreensão do que se lê e redução da experiência de leitura, o que pode impedir o aumento do vocabulário e do conhecimento em geral.

O fonoaudiólogo é o profissional capacitado para fazer o diagnóstico adequado a partir da suspeita de dislexia. Outros sintomas são: permanência de leitura lenta e silabada ou em nível abaixo do esperado para a escolaridade; medo de ler em voz alta; substituições, omissões e repetições; dificuldade em reconhecer palavras familiares e freqüentes; fazer muitas repetições e interrupções durante a leitura; depender do contexto para a compreensão do que lê; desempenho desproporcionalmente fraco em teste de múltipla escolha e incapacidade de terminar os testes no horário estabelecido.

_depoimentos
"Descobri que tinha dislexia na faculdade. Não fiz tratamento, mas arrumei uma forma de compensação automática. A vida inteira tive dificuldade com algumas palavras. Quando não sabia a grafia, arrumava um sinônimo que sabia escrever ou mudava a frase de forma que não precisasse da palavra. Ainda faço isso hoje com freqüência", conta a estudante de psicologia Lorena Batista Torres, de 21 anos.

A dislexia é hereditária. De 23% a 65% das crianças com pais disléxicos podem desenvolver a desordem, segundo Lewis e Simpson. Uma prova é que o irmão de Lorena, Vinícius Batista Torres, 22, sofre do mesmo problema e, apesar de ser mais velho, foi diagnosticado quando ainda era criança, aos 7 anos, quando estava na primeira série do ensino fundamental.

Seu tratamento incluiu sessões com psicóloga, com psicopedagoga – para ajudar na alfabetização – e estudar em uma escola especializada, onde havia apenas seis alunos por classe. O tratamento durou dois anos e meio. No início, ele lia e soletrava, mas não conseguia escrever o próprio nome corretamente. Apesar da melhora impressionante, ele ainda tem muita dificuldade com a linguagem. Hoje ele ainda erra ortografia e tem problemas com a fala por isso pensa em fazer um tratamento com fonoaudióloga.

Ser um mal aluno acaba desestimulando o estudo por isso muitos portadores da doença acabam abandonando a escola e as ambições profissionais da vida adulta. Para Maria Ester Borlido, diretora da AND [Associação Nacional de Dislexia], se for orientando corretamente, o aluno poderá ser bem-sucedido na escola. Ela alerta: “Para isso é necessário que o professor seja sensível e interessado”. Existem vários sinais que são perceptíveis desde a pré-escola.

Se as escolas, por meio de seus orientadores, passassem essas informações aos professores para que eles encaminhassem a criança com dificuldades ao fonoaudiólogo, muitos casos poderiam ser tratados, diz ela, que trabalha com disléxicos há 29 anos.

"Meu homeopata me ajudou a descobrir que tenho uma mente disléxica e me encaminhou para uma oftalmologista, com quem descobri o que era a doença", diz o engenheiro e economista Alfredo Martins Sobral, de 46 anos. "Isto aconteceu em junho de 2006. A questão é minha desorganização, que reflete nas minhas atividades cotidianas. Vinha fazendo terapia há mais de dois anos. Agora tenho consciência do meu problema e finalmente começo a adquirir habilidades para lidar com a minha própria vida", conta.


_Dicas para combater a dislexia
Ler histórias compreensíveis para a idade da criança ajuda a enriquecer o vocabulário
Faça da leitura um hábito. Peça para a criança ler textos do seu interesse durante 10 minutos por dia
Brinque com jogos educativos e softwares em família. Eles desenvolvem a leitura, a memória, a atenção e outras áreas importantes do cérebro
Use computador e gravador, principalmente para digitar textos, resumir matérias e gravar aulas
Mostre conceitos abstratos, como água saindo do estado líquido para vapor. Exemplos visuais são mais fáceis de ser compreendidos

FONTE DE PESQUISA:

59 comentários:

cida disse...

Fiquei muito contente em saber mais sobre Dislexia,eu acho que meu filho tem dislexia,embora nenhum medico me disse isso,não sei mais o que fazer,ele tem dose anos tem dificuldade na escola tem dificuldade pra memorizar,falar,pra entender as coisas,tem muitas dificuldade em quase tudo que vai fazer.ja faz tratamento com fono a nove anos,não sei mais o que fazer,apesar de tudo ele é muito inteligente,e quando é do enteresce dele,ele não esquesce,as vezes tem dificuldade pra esplicar.obrigada

cida disse...

Gostei de saber mais sobre dislexia,vivo este drama com meu filho....

Anônimo disse...

Recentemente descobri que sou disléxica. Não foi nenhum diagnóstico médico.
Aprendi a ler muito cedo e sozinha. Aos quatro anos de idade percebi que juntando uma consoante a uma vogal obtinha uma sílaba. Nunca tive dificuldades na leitura ou escrita. Nem mesmo na matemática, aos seis anos já realizava operações de multiplicação, mesmo sem ter sido ensinada. Sempre fui uma das melhores alunas da classe, por essa razão aos oito anos de idade já estava cursando a quarta série. Nunca precisei estudar muito, nem mesmo prestar atenção às aulas.
meus dotes artísticos sempre foram superiores. Minha mãe conta que com um ano de idade já reconhecia e nomeava cores secundárias e terciárias. Sempre tive talento para o desenho e pintura acima do normal.
Aos treze anos já cursava magistério, em uma escola, para qual fui aprovada em concurso, em nono lugar, mesmo não tendo estudado ou me preparado npara o exame. Aos dezessete fui convocada como professora da Secretaria de Educação do DF, após ser aprovada em concurso público.
Enfim, tudo sempre pareceu muito fácil para mim. Na escola cheguei a fazer teste de QI, o qual, obviamente, ficou acima da média: por volta de 145, sendo classificada como superdotada.
Sempre me destaquei em oratória. Muitos professores e colegas disseram que eu tinha o "dom da palavra".
Tenho muita facilidade para exposição oral, concatenação de ideias e raciocínio lógico.
Também sou excelente enxadrista. Posso contar nos dedos da mão as poucas derrotas que sofri.
As pessoas me consideram muito inteligente. Então, onde está a dislexia?
Essa é a história paralela. Nos esportes, era medíocre embora bem dotada fisicamente: Tenho 1,73 de altura e uns sessenta e tantos quilos. Esportes de equipe, nem pensar. Desastroso sempre foi o meu desempenho. Só em corrida ou natação eu me virava bem.
Mas o meu grando problema não estava aí.
Pois, apesar de não ser muito atlética, nunca cheguei a sofrer muito com isso. Afinal nunca me interessei mesmo por esportes!
O grande problema sempre esteve na música.
Eu amo música!!! Amo música, esforço e não consigo aprender. Tenho calos nos dedos. Passo horas estudando desde os meus quinze anos.
As pessoas até chegaram a achar que eu tinha talento... mas só eu sei o quanto sou medíocre.
Eu, que sempre tive facilidade em quase tudo, que nunca precisei me esforçar para ser a primeira da sala, estava diante de uma grande dificuldade: o violão clássico.
Eu até poderia ter me dedicado ao canto ou percursão se eu tivesse um mínimo de condições para aprender.
É mais difícil se convencer da incapacidade quando se tem uma superdotação para outras áreas.
E assim eu continuo insistindo na música. De tempos em tempos volto a estudar. Tenho feito isso nos últimos vinte e oito anos. São vinte e oito anos de dedicação ao violão e eu não consigo tocar quase nada.
Muitas vezes pensei em desistir, afinal você não precisa ser bom músico para se dar bem em nossa sociedade. Fico imaginando como deve ser difícil a vida de quem tem dislexia em outras áreas. A dismusia ou dislexia musical, embora seja até comum, não é incapacitante, pois as habilidades musicais não são exigidas de todo mundo.
A dismusia é mais frustrante que incapacitante. O mesmo não acontece com outras formas de dislexia.
Acredito que assim como eu, provavelmente todos os disléxicos têm altas habilidades em alguma outra área, as quais ainda não foram descobertas. No meu caso foi justamente o contrário. Pra minha sorte as minhas altas habilidades apareceram primeiro, pois em nossa sociedade, tais habilidades são mais exigidas. Meu transtorno de aprendizagem pode passar despercebido se eu assim desejar.
Todos necessitamos de experiências positivas, de sucesso. Isso é importante para que o indivíduo, principalmente a criança, não desenvolva um sentimento de inferioridade total.
A autoconfiança que sempre tive foi fundamental para reconhecer e falar sobre minhas dificuldades, tanto quanto habilidaes, realisticamente.

Anônimo disse...

Olá,tenho 24 anos e estou desesperada.
sempre fui uma aluna média,e sempre tirei notas de 5 á 6 me esforçando muito.
No lado artísco sempre tirei 10!
escrevo poemas faço pinturas e toco violão. Gravo facilmente todas as músicas que eu quiser,mesmo sendo em outras linguas! Mas eu sempre fui a preguiçosa da família.Meu pai é muito bom com lógica e em tudo que faz,minha irmã sempre tirou 10 em tudo.Eu sempre tentei estudar muito,mas não consigo me concentra direito em nada do que faço.Sempre faço mais de uma coisa ao mesmo tempo,nunca termino nada.No ano de 2007,tentei ignorar todas as minhas dificuldades e prestei vestibular e consegui bolsa em ssitema de informação(informática),daí começou um inferno.
Minha dificuldade de concentração me afasta dos estudos porque quanto mais eu estudo vejo que não sei nada. As vezes me pego tentando fazer uma continha simples e não consigo.Gravo as formulas e não consigo sequer fazer uma multiplicação sem errar.Estou quase desistindo de estudar porque minha incapacidde chegou ao máximo.Eu perdi minha bolsa e agora estou pagando pelo curso,mas minhas notas são péssimas.Eu não tinha idéia do que poderia ser isso,e estavaestudando para uma prova e percebi que não conseguia fazer uma conta 8x3. Entrei em desespero e começei a pesquisar,E achei alguns sites que falavam sobre discalculia e dificuldade de concentração.
Não sei o que fazer e não sei como agir,que médico pode me ajudar.
Se tiver alguma coisa que eu possa fazer por favor me responda.Meu email é kelff_@hotmail.com

gal disse...

Eu tenho um filho de 7 anos e nasceu prematuro de 6 meses por aborrecimentos com o pai. Mas desde que saiu da Neo Natal sempre foi dorminhoco e vagaroso pra comer. E depois com o seu crescimento apresentou muita calma no andar, na hora de comer (fica horas) e ao ver televisão (se disprende do mundo). No ano passado quando cursou o 1º ano do ensino fundamental se recusou várias vezes de copiar, se distraia por minutos tendo q ser chamado a atenção. Mas apesar disso tudo é muito inteligente.

Anônimo disse...

Em certa parte fiquei contente em entender mais um pouco sobre dislexia,tenho um filho de dez anos e uma filha de três,meu filho sempre se mostrou uma criança muito"sapeca,levada"andou cêdo e falou muito tarde por volta de cinco anos que veio falar normal pois tinha muita dificuladade de se expressar e depois que a irmanzinha nasceu complicou mais pq agora não vivo completamente so para ele, pois está mostrando muita dificuldade na materia de matemática,simlpismente não entende os problemas de matemática,não consegue passar um recado,com nove anos que conseguiu amarrar os cadarços,esse blog foi uma luz para que eu e meu esposo não cobre tanto mais ele,ele não se interessa por nada eu tenho que está incentivando mostrando os pontos positivos de tal coisa de algo que vai ser bom para ele,eu precisava desabafar isso com alguem,está sendo muito dificil,ele não sabe fazer as colocações de palavras se deixar por conta dele passa o dia inteiro assistindo desenhos nunca se cansa,não aceita que está errado e quando não consegue chora,como eu queria resolver e tirar essa angustia dele pois chora qd não consegue e se cobra e fala que não é inteligente.

sandrinha disse...

Nossa ADOREI O SEU BLOG....
na verdade eu estava fazendo uma pesquisa na faculdade sobre dislexia, eu tenho um filho dislexo(eu acho) ,ele tem 13 anos e a dificuldade dele está na leitura ... e tb de memorizar.Gostaria de saber como lidar com isso,o que devo fazer p/ está estimulando o mesmo, já que na escola ele só teve 2 vzs com a psicologa e nunca me deram um diagnóstico concreto.
Sandra Araújo
Bsb-df

Anônimo disse...

Ainda não tenho um diagnostico, de que tenho dislexia, porém após uma reportagem, me identifiquei com algumas das minhas dificuldades, e em alguns sites como ABD, seu blog e outros, lendo sobre os sintomas, parecia praticamente minha autobiografia, sempre tive dificuldade para me concentrar, ler e interpretar, ler em vós alta impossível fica pausado demais, já fiz narrador numa peça de teatro, mas acho que decorei o texto, eu sei ler porém, tenho mil pensamentos por minuto enquanto estou lendo, e não consigo me concentrar, paro de ler, consigo também pensar em nada, isso é complicado pra um homem casado, pois para as mulheres... não vou mudar o foco!... não me sinto com falta de inteligência, já passei em três concursos públicos, o segundo deles em primeiro colocado, mas não consigo me concentrar numa palestra e logo após, explicar o que foi dito.
Tenho medo de descobrir a doença e me encostar nela, porém tem muita gente boa que é dislexico como Aistem, Sher,Tom Cruize é possível? quero saber como tratar, ou como lidar com a dislexia. Favor postar um especialista no rj, desde já agradeço

paula disse...

tenho um filho de 6 meses(ele foi prematuro e nasceu de seis meses)ele teve muitas complicaçoes quando nasceu,por ter sido uma criança muito prematuro de 830g. ele ficou 4 meses e 15 dias internado e 90 dias em oxigenio.muitos medicos diziam q ele ñ ia sobreviver mas eu tive fé q Deus podia salvar o meu filho,ate então td bem.ele teve pneumonia,broncodisplasia pulmonar,retinopatia da prematuridade.emorragia intracraniana grau 2,precisou fazer uma cirurgia no ♥,corria o risco de ficar cego e surdo,teve refluxo e muitas outras coisas. hj o meu filho esta vivo é uma criança linda,gorda e feliz.esta com 8 quilos,vê,ouve,ri,brinca rola pela cama... resumindo meu filho faz td q uma criança prematura q nasceu como ele nasceu ñ podia fazer e ninguem acredita q ele é um bebê prematuro. então se vc acredita em vc,e acredita nos seu ideais o seu filho pode ter a doença q for,mas se vc lutar ao lado dele e acreditar q Deus pode mudar e q o seu filho é capaz de superar e suportar esse momento,ele é curado e vc vai poder vê q se vc acredita em Deus e em vc msm vc pode mover montanhas e mudar toda historia da sua vida..
pensem nisso
fiquem com Deus
obrigada a todos!!

Anônimo disse...

tenho um filho de 8 anos,desde pequenininho nunca acompanhou a escola,ja o levei á varios médicos, neurologista,neuro psicologa,psicopedagoga,fonoaudiologa, até hoje não teve um diaginóstico conclusivo, por esse motivo entrei nesse site pra me informar, não sei mais o que fazer, espero que com o passar do tempo isso melhore ...

mariobross1@bol.com.br disse...

Ainda nao sei tenho certeza mais desconfio que tambem tenho a tal da DISLEXIA. Pois bem estou cursando ingles e percebi que eu tenho enormes dificuldades em aprender pois notei que é somente comigo que acontece na sala, lendo dos sitomas tambem percebi que sou pessimo em fazer contas. Qual tratamento pra isso? tenho 31 anos

neide disse...

gostaria que alguem podesse me ajudar indicando um colegio aqui em brasilia mais precisamente taguatinga moro em vicente pires minha filha estuda no colegio aqui instituto sagarana so que ela reclama ela nao conseque acompanhar o estudo direito ela e repetente tem 15 anos esta no 9 ano so que tem dificuldade no aprendizado ela troca as letras e outras dificuldade de gravar ja foi no neuro e psicologo e nada porfavor me ajudem (OBS ela e minha filha do coracao se e que vcs entendem obrigado.meu email jsbicho@gmail.com

Anônimo disse...

Olá! Tenho 34 anos. Sou formado em história e trabalho na profissão, ou seja, sou docente. O problema é que tenho várias dislexias: enorme dificuldade de atenção; disgrafia; problemas de memória, etc. mais não fui um aluno tão mediano.

Anônimo disse...

Olá.Tenho 34 anos. Sou formado em hitória e trabalho na profissão, ou seja, sou docente. O problema é que tenho várias dislexias: disgrafia; uma enorme dificuldade de concentração; problemas de memória, etc. Apesar de não ter sido um aluno mediano, a oscilação intelectual, ou seja, algumas vezes eu tenho muita facilidade no aprendizado, outras, muita dificuldade, faz com que eu não tenha a mínima confiança em mim mesmo. Isto é um enorme problema para um profissional da área em que atuo.

carlos andre disse...

Olá. Tenho 34 anos e sou professor. O problema é que tenho várias dislexias: disgrafia, enormes problemas de concentração, problemas de memória, etc. Não fui um aluno (universitário) tão mediano. Entretanto, a oscilação intelectual, ou seja, os extremos de bons desempenhos e de maus desempenhos faz com que eu perca toda e qualquer confiança em mim mesmo. Algumas vezes não preciso me esforçar para conseguir um bom desempeno em alguma coisa. As vezes, apesar de me esforçar mais do que todos, consigo um resultado muito medíocre.

Elisabeth disse...

Descobri a dislexia por volta dos 5/6 anos de idade. Sempre fui muito distraída, dificilmente me concentrava em alguma coisa e a dificuldade em memorizar a tal da tabuada ainda hoje me persegue. Na escola, as professoras achavam que eu simplesmente nao fazia as tarefas por preguiça, e me forçavam a terminar as provas no mesmo horário das outras crianças; o problema maior é que não consigo interpretar os textos lidos, precisava de mais tempo para ler e reler ou melhor, de alguém ler para mim, e assim eu poder entender. Ainda sofro com isso. Meus professores não entendem isso....

Beto disse...

Olá...Gostaria de ajuda, ontem a noite um amigo tomou coragem e me afirmou que eu tenho dislexia, acredito nele pois todos os sintomas eu tive quando criança e continuo agora na maior idade,tenho 24 anos e gostaria de saber onde posso buscar ajuda aqui em sp-capital.

se puderem em ajudar.

montechio11@hotmail.com

Monica disse...

Olá...Gostaria de ajuda, eu tenho dislexia eu tenho todos os sintomas de dialexia
Eu queria se vocês sabe aonde tem curso de dislexia em São Paulo capital
ou em Cidade de Diadema sp.
ou em Piaui
muita obrigada

mgsa02@hotmail.com
me ajuda
eu tenho 17 anos só 3ºmedio

Anônimo disse...

Tenho uma neta que é deslexicos, li sobre deslexia e pude aprender sobre o problema, vi que não é doença, mas precisa de muito cuidado com o aprendizado dela,ela naõ dá conta de ler e nem escrever, seu cerebro naõ grava as falas, e preciso que os professores mudam o metédo de ensino.

Anônimo disse...

Bom dia, não possuo diagnóstico médico, mas sempre tive problemas de direção (direita e esquerda), as vezes as pessoas estão falando comigo e é como se elas estivessem falando em outro idioma e preciso pedir que repitam várias vezes com a desculpa de que não estou ouvindo muito bem, dificuldade em dividir meu tempo durante as tarefas, inversão de números. Na infância não tive dificuldades em me alfabetizar e falei muito cedo, antes de 1 ano de idade, porém tive muita dificuldade em aprender a divisão e minha letra era péssima, custei para consertar. Comecei a pesquisar sobre a desorientação sobre esquerda e direita depois de uma situação que as pessoas riem e acreditam que seja distração porém fui parar num lugar em vez de outro e tive que voltar. Felizmente não causou transtornos maiores, mas fiquei assustada. Acredito possuir algum grau de dislexia.

Anônimo disse...

Bom dia, não possuo diagnóstico médico, mas sempre tive problemas de direção (direita e esquerda), as vezes as pessoas estão falando comigo e é como se elas estivessem falando em outro idioma e preciso pedir que repitam várias vezes com a desculpa de que não estou ouvindo muito bem, dificuldade em dividir meu tempo durante as tarefas, inversão de números. Na infância não tive dificuldades em me alfabetizar e falei muito cedo, antes de 1 ano de idade, porém tive muita dificuldade em aprender a divisão e minha letra era péssima, custei para consertar. Comecei a pesquisar sobre a desorientação sobre esquerda e direita depois de uma situação que as pessoas riem e acreditam que seja distração porém fui parar num lugar em vez de outro e tive que voltar. Felizmente não causou transtornos maiores, mas fiquei assustada. Acredito possuir algum grau de dislexia.

DIS.LEXICOS@IBA_SEUS_DIREITOS disse...

SEJA BEM VINDO AOS DISLEXICOS QUEREMOS CONTATOS

SEJA BEM VINDA(O), TEMOS OUTROS CANAIS DE COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO, NOSSO TRABALHO É DE ORIENTAÇÃO E DIVULGAÇÃO PRA ESCLARECIMENTOS SOBRE TUDO QUE SE POSSA RELACIONAR SOBRE DISLEXIA/e ou PROCESSOS ALTERADOS DE APRENDIZAGEM E ENSINAGEM.
NOS FAÇA UMA VISITA, E CONHEÇA NOSSO TRABALHO, BRASÍLIA-DF.

CANAIS DE COMUNICAÇÃO:
MSN: dis.lexic@hotmail.com

adriana disse...

minha filha tem 08 anos, nao sabe le ainda. conhece as letras mais nao sa formar palavras ja fes o exame no oftalmo,audimetria idiometria ja foi no neurologista e o neuro disse que nao pode da o diagnostico mando continua com o tratamento com a pedagoga e isso mesmo,mais ja estou fazendo o tratamento com a psipedagoga,quem vai me da o diaguinostico certo me ajude.....

adriana disse...

gostaria que me respondese por e-mail se posivel obrigada

DIS.LEXICOS@IBA_SEUS_DIREITOS disse...

Boa noite Adriana,

Para que eu possa te responder por e-mail teriamos que saber seu endereço eletronico, o qual não tivemos acesso . Por esta razão seria enteressante vc entra em contato conosco pelo e-mail dis.lexic@hotmail.com.

Atenciosamente.

Anônimo disse...

Fiquei feliz ao saber o que tenho e um distúrbio.
Tenho 40 anos, só descobrir o que eu tinha com 30 anos. Vocês não imaginam o que eu passei.
Já terminei uma faculdade e uma pós-graduação, agora larguei o emprego para estudar para concursos, a dificuldade esta sendo enorme, sempre fico em redação, às vezes palavras simples que eu escrevi a vida inteira, derrepente não sei como escrever. Ex. o nome da minha mãe que e Nilta, às vezes não sei se e com T ou D. Sempre uso a imagem fotográfica, lembro da carteira de identidade dela. Só que não posso fazer com todas as palavras.
Ainda não sei como procurar ajuda, sempre leio material sobre o assunto, só que ainda não sei o que fazer, procuro um fonoaudiólogo ou um psicólogo......
Moro em Brasília, e preciso de ajuda , vejo que tem muita ajuda sobre o assunto em São Paulo.
Graças a Deus os meus filhos não têm.
O que fazer primeiro, ligo para quem.

Abraços

Anônimo disse...

Preciso de orientação tbm, pelo que estou lendo no seu abençoado blog, estou achando que minha filha de 7 anos, faz oito em julho, tem dislexia, ela reconhece as letras separadamente mas não atina a junta-las pra ler, faz mudanças do no espaço do tipo: se janta diz que almoçou, se almoçou diz que jantou, e amanha ela acha q foi ontem, ja chorei bastante, agora to postando pra que me ajude, em função da fala errada ja faz tratamento com fonoaudiologa, ja fez tbm tto com psicologa, que nunca me disse q podia ser isto, ja passou tbm com psicopedagoga q descartou a dislexia, e pelo q to vendo tenho quase certeza q minha baixinha tem dislexia, me dê dicas de como lidar com a disexia, por favor, pode me mandar por e-mail, por favor o mais breve possivel, mto obrigada!!!

DIS.LEXICOS@IBA_SEUS_DIREITOS disse...

Boa noite cida,
Para que eu possa te responder por e-mail teríamos que saber seu endereço eletrônico, o qual não teve acesso. Por esta razão seria interessante vc entra em contato conosco pelo e-mail dis.lexic@hotmail.com.

DIS.LEXICOS@IBA_SEUS_DIREITOS disse...

SANDRINHA,SEJA BEM VINDA(O), TEMOS OUTROS CANAIS DE COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO, E PARA MAIORES ESCLARECIMENTOS ESCREVA PARA NOS E-MAIL/MSN:dis.lexic@hotmail.com.
NOSSO TRABALHO É DE ORIENTAÇÃO E DIVULGAÇÃO PRA ESCLARECIMENTOS SOBRE TUDO QUE SE POSSA RELACIONAR SOBRE DISLEXIA/e ou PROCESSOS ALTERADOS DE APRENDIZAGEM E ENSINAGEM.
NOS FAÇA UMA VISITA, E CONHEÇA NOSSO TRABALHO, BRASÍLIA-DF.

CANAIS DE COMUNICAÇÃO

ORKUT COMUNIDADE:
DISLEXICOS CONHEÇA SEUS DIREITOS
ORKUT PERFIL:
DISLEXICOS QUEREMOS CONTATO

DIS.LEXICOS@IBA_SEUS_DIREITOS disse...

SEJA BEM VINDA(O) CAROS AMIGOS(AS),
ESTAMOS RESPONDENDO ALGUMAS DUVIDAS DOS NOSSOS LEITORES, TEMOS OUTROS CANAIS DE COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO, NOSSO TRABALHO É DE ORIENTAÇÃO E DIVULGAÇÃO PRA ESCLARECIMENTOS SOBRE TUDO QUE SE POSSA RELACIONAR SOBRE DISLEXIA/e ou PROCESSOS ALTERADOS DE APRENDIZAGEM E ENSINAGEM.Somente um diagnóstico multidisciplinar pode identificar com precisão o que está ocorrendo,este trabalho deverá ser realizado por equipe de profissionais especializados (psicopedagogos, pedagogos, psicólogos, fonoaudiólogos) com experiência em distúrbios de aprendizagem e ênfase em Dislexia. Através de uma minuciosa investigação, essa equipe vai ainda verificar necessidade do parecer de profissionais, como neurologista, oftalmologista e outros, conforme o caso. É o que chamamos de AVALIAÇÃO MULTIDISCIPLINAR e de EXCLUSÃO, outros fatores deverão ser descartados, como déficit intelectual, disfunções ou deficiências auditivas e visuais, lesões cerebrais (congênitas e adquiridas), desordens afetivas anteriores ao processo de fracasso deste aprendente. A avaliação é fundamental para entender o que está acontecendo com o indivíduo que apresenta sintomas de distúrbio de aprendizagem, já que outros fatores também podem causar os mesmos sintomas da dislexia exemplo ; distúrbios psicológicos, neurológicos, oftalmológicos, etc. PARA MAIORES ESCLARECIMENTOS ESCREVA PARA NOSSO E-MAIL/MSN:dis.lexic@hotmail.com.

Anônimo disse...

EDNA
27/05/2011 Adotei uma criança de 4 anos hoje ele esta com 11anos, veem apresentando muita dificuldade na escola, lendo esses depoimentos achei conviniente procurar um neurologista para fazer uma avaliação do meu filho pois ele não concentra, vive no mundo da lua, e deprimido, chora muito,sente sempre inferior a todas as crianças, acorda muito a noite alegando sonhar com mosntros e muitas vezes quer dormir entre eu e meu marido.
Gostaria que vocês me ajudacem meu email e edna.ede.sousa@hotmail.com

Anônimo disse...

EDNA
27/05/2011 Adotei uma criança de 4 anos hoje ele esta com 11anos, veem apresentando muita dificuldade na escola, lendo esses depoimentos achei conviniente procurar um neurologista para fazer uma avaliação do meu filho pois ele não concentra, vive no mundo da lua, e deprimido, chora muito,sente sempre inferior a todas as crianças, acorda muito a noite alegando sonhar com mosntros e muitas vezes quer dormir entre eu e meu marido.
Gostaria que vocês me ajudacem meu email e edna.ede.sousa@hotmail.com

Anônimo disse...

MEU NOME É MARIA JOSÉ,TENHO 50 ANOS TENHO DISLEXIA DESTE CRIANÇA.DESCUBRIR APOUCA PQ MINHA FILHA DE 14 ANOS TBM TEM, MORO EM MACEIO GOSTARIA SABE ONDE EU POSSO ENCONTRAR AJUDA PRA ME E PRA MINHA FILHA? MEU EMAIL; mariarocha28@hotmail.com

DIS.LEXICOS@IBA_SEUS_DIREITOS disse...

Boa noite Maria José,

Para responder sua pergunta e te ajudar, tenho que saber se vc "acha que tem dislexia" ou se já tem o diagnostico de dislexia.

Bem de qualquer modo estarei te orientando atravez do seu e-mail.

Atenciosamente.

BArbara disse...

Boa noite
Fiquei contente em saber mais sobre dislexia. Tenho um filho que completa 16 anos e tem grandes dificuldades e foi diagnosticado dislexia. Gostaria de dicas como trabalhar com a dislexia tntando combater. Já fui chmaa na escola e a mesma me pediu um dignostico preciso para poder mudar a forma de avaliação dele,
Gostria de orientações sobre a dislexia. Antes eu tinha vergonha de assumir os erros do meu filho, mas hj estou fortalecida pois tenho o meu DEUS que me fortalece.

Josi disse...

Tenho uma filha com 15 anos e ela tem muita dificuldade em matematica ano passado ela reprovou so em matematica .Ela esta cursando a 6serie do EF .Ja reprovou na 2ª;4ª serie,nao sei como ajudar .So agora tenho certeza que ala tem dislexia.O que eu faço?

Anônimo disse...

Boa noite,

Tenho 27 anos e estou precisando de informações sobre dislexia. tenho problemas em falar em publico, não consigo me consentrar, e palavras que vejo frequentemente acabou esquecendo e tenho que fazer substituições porque não consigo lembrar como as escrevo mesmo já as tendo esvrito em outras momentos.
Tenho uma amiga que por conviver muito comigo e vendo minha difilculdade em diversas situações procurou se informar e me disse q eu poderia ter dislexia mais não sei como procurar um diagnotico p/ confirmar essa suspeita e também caso eu tenha esse tipo de problema eu já com 27 anos teria ainda tratamento ?
então muitas duvida que estão me atormentando enão consigo achar respostas.
o meu maior problema é q já estou com 27 anos e estou tentando entar na faculdade e não estou conseguindo nunca consigo passar nas provas pq memos estudando acabo esquecendo tudo e me ferrando.
Por favor se alguem poder me orientar sobre o que eu posso fazer p/ descobrir se tenho dislexia entre em contato por esse email
michelemariasilva@ymail.com

Desde já agradeço a atenção.

Anônimo disse...

Ouvi falar sobre dislexia a pouco tempo e acho que posso ter dislexia.Tenho 22 anos e sempre tive dificuldades para ler e escrever e principalmente fazer contas. Apesar disso consigo triblar meus problemas na maioria das vezes e hoje estudo direito em uma boa faculdade. Me sinto mau por nao conseguir aprender como todo mundo e sou dependende de corretors ortograficos. Gostaria de obter ajuda para melhorar minhas dificuldades. Morro de vergonha por nao conseguir calcular quanto precisa vir de troco, por exemplo ou quando tenho que ler um trexo em voz alta ou escrever para alguem. Demoro bastante. Queria conselhos para saber se sou mesmo dislexica.

Anônimo disse...

Com esse comentário da Cida concluímos que dislexia é genética.

Anônimo disse...

11/8/2011 estou com 60 anos, descobri, a poucos dias, pela televisão, que eu tenho essa doença, nunca imaginei que seria uma doença, e o meu filho do meio ,também tem isso eu moro em campinas est. de s. paulo.... meu filho mora em manaus,
no meu caso apesar de certas dificuldades, para ser uma pessoa organizada, sinto que DEUS me dá muita inteligencia, pois tenhos varias patentes , p/ desenvolver, preciso achar tempo, para patentiar..........

fiquei feliz em saber que, isso é um problema, que para as crianças tem solução, na minha idade seja um pouco mais dificil, mas vontade tenho e muita, de ser curada, dessa deslixia, DEUS O ABENÇÕE MUITO OS MEDICOS QUE DESCOBRIRAM ESSA DOENÇA GRATA VERA LUCIA

IMAIL LOIRINHOEPRETINHO@GMAIL.COM

nilva disse...

Finalmente...agora sei o que eu tenho e me atormentou durante meus 39 anos de vida,Jamais entendi porque tenho tanta dificuldade de aprender,matemática então é o meu pesadelo,jamais consegui dominar e sempre nas provas de concursos meu resultado era o pior possível nessa matéria,chego a ficar deprimida...minha vida é uma atraso,eu deveria estar muito bem,mas não sabia o que tinha de errado comigo e não busquei ajuda achando que era problema de ser diferente mesmo das outras pessoas...e sofri durante longos anos por causa disso e ainda sofro e vou sofrer porque parece que não tem cura,e eu já estou na idade em que tudo pode piorar já que o organismo vai perder ainda mais sua capacidade de guardar as informações na memória,isso já acontece quem é normal imagina com quem já tem esse problema,meu sonho é passar em um concurso público,mas por mais que eu esforce eu não consigo aprender nem guardar nada na minha cabeça,por mais atenção que eu coloque e o esquecimento agora parece que aumentou dificultando ainda mais minha vida,não falei isso para outras pessoas nem mesmo minha família não quero que sofram melhor uma pessoa sofrer sozinha.

Se caso tiver mais alguma informação que possa me dizer com base do que acabei de digitar por favor me mande via email nab_nilva@hotmai.com...obrigado!

Djeni disse...

meu marido tem dislexia e tem muita vontade de fazer a carteira de habilitação , mas como tem a aula teorica tem medo ! como eu poderia ajudar ele a conseguir realizar esse desejo sem medo!

abraços Djeniffer / ESTEIO/RS

Henrique disse...

Primeiramente gostaria de parabenizar o Blog, ele é de grande ajuda mútua à todos nós!

Tenho 28 anos e descobri no dia de ontem que sou disléxico através de um filme que deveria ser obrigatório para todas as pessoas, principalmente educadores!

O filme se chama: Como estrelas na terra.

É um filme Indiano muito bem produzido e conta a história de um menino mal compreendido por ser disléxico. A história dele com certeza é muito parecida com todas as nossas, Disléxicos.

Tive muita sorte de ter tido pais maravilhosos, muito pacientes e dedicados que mesmo não sabendo que eu tinha dislexia, se comportaram e me educaram como tal!

Agradeço muito aos meus pais e a alguns professores que sempre me defenderam perante a outros ignorantes!

O Disléxico nada mais é que um incompreendido na sociedade e sofre muito por pessoas quererem que sejamos iguais as outras, pois o modelo societário é atrasado e ainda acham que o QI é um Quociente que mede a inteligência de um Ser Humano através de problemas matemáticos ou resolução de questões de lógica, esquecendo que existe o QE e outras partes cerebrais muito mais preciosas!

Inteligente sejamos nós de não deixarmos ser domados por uma sociedade que não nos dá espaço para trabalhar nossa genialidade, podando nossos talentos quando ainda crianças! Somos obrigados a seguir aquilo que é determinado, deixando de lado aquilo o que realmente é genial!

Deixo aqui registrado meu desabafo perante a todos e peço para todos pais e educadores cuidarem de crianças disléxicas com muito amor e paciência, pois na verdade são Diamantes que precisam apenas serem lapidados! Obrigado à todos!

Henrique disse...

Primeiramente gostaria de parabenizar o Blog, ele é de grande ajuda mútua à todos nós!

Tenho 28 anos e descobri no dia de ontem que sou disléxico através de um filme que deveria ser obrigatório para todas as pessoas, principalmente educadores!

O filme se chama: Como estrelas na terra.

É um filme Indiano muito bem produzido e conta a história de um menino mal compreendido por ser disléxico. A história dele com certeza é muito parecida com todas as nossas, Disléxicos.

Tive muita sorte de ter tido pais maravilhosos, muito pacientes e dedicados que mesmo não sabendo que eu tinha dislexia, se comportaram e me educaram como tal!

Agradeço muito aos meus pais e a alguns professores que sempre me defenderam perante a outros ignorantes!

O Disléxico nada mais é que um incompreendido na sociedade e sofre muito por pessoas quererem que sejamos iguais as outras, pois o modelo societário é atrasado e ainda acham que o QI é um Quociente que mede a inteligência de um Ser Humano através de problemas matemáticos ou resolução de questões de lógica, esquecendo que existe o QE e outras partes cerebrais muito mais preciosas!

Inteligente sejamos nós de não deixarmos ser domados por uma sociedade que não nos dá espaço para trabalhar nossa genialidade, podando nossos talentos quando ainda crianças! Somos obrigados a seguir aquilo que é determinado, deixando de lado aquilo o que realmente é genial!

Deixo aqui registrado meu desabafo e peço para todos os pais e educadores cuidarem de "suas" crianças disléxicas com muito amor e paciência, pois na verdade são diamantes que precisam apenas ser lapidados!

Obrigado à todos

Mair Soares de Souza disse...

Recente mente descobrir que uma garota com quém estou me relacionando tem dislexia, então fui procurar sobre a doença, para poder me relacionar melhor com ela. Foi ela que me disse que tinha dislexia porque eu vivia corrigindo algumas palavras que ela dizia, agora que sei do seu problema vou procurar ajuda-la.

Naomi disse...

Muitos achariam ruim, mas eu fiquei feliz por descobrir que o meu problema é dislexia. Apesar de conseguir estudar e hoje estar no meu último ano da faculdade sempre convivi com o fato de ser "atrapalhada".
Sempre com todos que converso troco as palavras das frases, se não as sílabas, esqueço palavras, não conseguindo montá-las para falar. Para escrever sempre foi uma luta, sempre invertendo tudo. Nunca tive uma noção de espaço e tamanho. Por esses fatos, muitos caçoam de mim, e me chamam de "doidinha".
Até a poucos, não me incomodava, mas no mundo universitário e trabalhando em pesquisas, as pessoas começaram a cobrar muito, ainda mais por trabalhar com dados (números), que por uma inversão qualquer acaba com a pesquisa. Muitos me cobravam por achar que era só falta de atenção, falta de responsabilidade.
Sempre atribuí essas minhas trocas no fato de eu ser canhota, e achava que era o normal dos canhotos. Até que conheci canhotos e vi que não era tão normal assim.
Um dia li num artigo que os canhotos tem maiores tendências a serem disléxicos, e daí comecei a pesquisar e com a ajuda de um profissional descobri minha dislexia.
Hoje a par dessa minha peculiaridade, sou mais tranquila por saber que eu sou uma "doidinha" igual a muitos.

fatima coppelli disse...

Gostaria de saber se existe alguma lei que faça com que as escolas dêem provas orais aos alunos disléxicos,pois meu filho de 14 anos sempre tem um baixo rendimento em interpretação de textos,já repetiu ano por 2 vezes,enfim,tudo é muito difícil para ele.Att,
Fátima Coppelli

Anônimo disse...

Tenho 20 anos,, tenho dificuldades algum tempo. Meu problema é na escrita e na fala, também não consigo memorizar os assuntos. Sempre me dediquei para não pede de ano, e nem para cai em recuperação. Mais agora aos vinte anos, essa dificuldade esta cada vez maior.
Faço curso técnico, e já pensei em desistir. Sei que preciso de ajuda mais não sei onde procurar.

Anônimo disse...

Olá,Boa noite gostaria de ter uma ajuda.Pois meu filho desde dos sete anos de idade percebi que algo estava errado c/ele.Tive a certeza que ele disléxico,porém o tratamento estar muito caro.E não estou vendo resultados.O que fazer?Resido numa cidade sem recursos no sertão do nordeste pernambucano.Ele estar resistindo a fazer as tarefas.O mesmo não era assim tão disperso.Grata

cida disse...

Ola que bom que encontrei esse blog pra me desabafar.... eu to em desespero, meu filho tem dislexia, diagnosticada por profissionais, fono/oftalmo/pedagoga/psicologo/neura..quando tinha 8 anos...enfim tudo que tinha direito..ate ai bem o problema é que ele nao quer ir pra escola, ele se recusa, ele reprovou um ano e no ano seguinte foi excelente, mas esse ano 6 ano ele nao abre a apostila, ele fala que nao quer ir mais naquela escola, que nao gosta de estudar, o que ele puder fazer pra se livrar da escola ele faz....e a escola esta fazendo o possivel com ele , é particular, me a juda muito, e a ele tb nas provas tem uma pessoa que le pra ele, o problema é el, hj ele tem 12 anos e disse que vai sair da escola, pelo que eunja estudei da dislexia, nao li nem um caso desse e que vao se superando, ja nao sei mais por ande começar, alias ja marquei uma psicologa pra ele... em ajudem , alguma luz por favor mapgozo@hotmail.com pode me adc ou enviar email .. sou orientadora educacional e estou deixando a desejar com meu filho

Miriam disse...

Estou pesquisando sobre dislexia, pois meu filho de 6 anos que vai fazer 7 agora em maio e está na segunda série, primeiro ano, simplesmente não consegue aprender a ler e a escrever, e isso porque ele está na escola desde os dois aninhos e só sabe fazer o primeiro nome. A professora me enviou uma carta para encaminhamento ao fonoaudiólogo e oftalmologista e hj quando estava almoçando no serviço, uma colega ouviu minha conversa e veio me dizer que talvez ele tenha dislexia, que só agora descobri o que é. Ele tem médico marcado para quinta feira e depois disso volto aqui e digo o que houve. obrigada pelos esclarecimentos.

Tati disse...

O que devo fazer para Obter o diagnostico Qual proficional de buscar? Repeti a 1,2e 3 serei e com foi dito no vídeo abaixo só comecei a passar de ano após as escolas publicas em no metodo de ensino de ciclo. Tenho dificuldades na escrita e leitura as vezes preciso ler varias vezes para compreende para trabalhar preciso sempre de um corretor ortografico . Preciso de ajuda. Tatiana thatiana.fialh@bol.com.br

Anônimo disse...

ola,meu filho de 8 anos tem dislexia,descobri a pouco tempo em uma consulta de rotina,na escola onde estuda eu fui chamada muita atenção por conta de não aprender e acompanhar as demais crianças,a professora com pedagoga usaram palavras muito pesadas ao descrever meu filho,eu chegava em casa muito chateada com ele gritava ,reclamava e muitas das vezes chorava pois eu como mãe não sabia o que fazer mais.em uma dessas consultas minha Dra,disse que é uma dislexia,e como mãe exigir os direitos do meu filho,pois como educadoras deviam observar a situação do meu filho do que julgar e falar as palavras que pra mim foi horrível,me senti como um pano de chão que só serve pra ser pisado,mais agora luto,brigo e aconselho as mães que tem suas crianças com dificuldades escolares,eu luto por essa causa.professores não sejam rudes,sejam educadores!observe não julgue pois você pode magoar um pequeno ser,que veio a terra com uma missão linda á inclusão social pra todos!!!!!!(me responda pelo facebook,klicia campos)obrigada pela a oportunidade.

Anônimo disse...

Olá !!!! Tenho um filho de 11 anos e só agora percebo que ele tem problemas no aprendizado,resolvi procurar ajuda,lendo esses depoimentos e que pude compreender a extensão do problema,discobrir por acaso a dislexia assistindo uma reportagem,eu cobrava muito do meu filho hj entendo que ele ñ culpa de ser assim,fico com remoso no S2 por ñ ter prestado + atenção nele o qt antes.

Anônimo disse...

Tenho 17 anos e estou cursando o ultimo ano do ensino médio. Desde criança sempre tive umas dificuldades diferente das outras pessoas, meu pais sempre diziam que isso acontecia por eu ser desligada ou até mesmo preguiçosa,mas isso até que não me incomodava muito. Depois que eu cresci eu resolvi querer amadurecer e fazer com que meus pais me vissem com mais confiança eu resolvi mudar. Só que foi uma experiência dolorosa apesar de ter conseguido amadurecer em muitas coisas, mas tinha coisas que eu começei a perceber que não era um problema de falta de esforço ou coisa parecida mas sim uma dificuldade diferente . Sempre apresentei lentidão para entender as coisas, absorver o que as pessoas me dizem e até mesmo pra escutar algumas coisas sendo apelidada como " lerda ", sempre tive uma relação muito estranha com a gravidade e com problemas de esquecer pertences,estou desconfiada que tenho dislexia mas não tenho certeza é apenas uma dúvida, por favor me ajudem , beijoss

Josyenne Simoes disse...

Boa tarde!

Ontem a pedagoga da escola do meu filho, que hoje tem 4 anos e 6 meses, me disse estar preocupada com a evolução do aprendizado de João Pedro. Relatou que sua preocupação é porque tem a sensação de que ele esquece rapidamente o que aprendeu. Uma hora demonstra o aprendizado, na outra parece que nunca viu aquilo.
João Pedro começou a falar mesmo, antes balbuciava algumas poucas palavras, com 1 ano e 3 meses, com 2 anos apresentou uma gagueira, que o pediatra disse ser normal e logo desapereceu. Em seguida, notei alguma confusão em reconhecer as cores, pensamos até que ele podia ser daltonico (por já haver caso na família), mas de repente ele aprendeu! Agora elas relatam sua dificuldade, com 4 anos e meio, em aprender as letras do alfabeto e os números. Ele escreve seu nome, mas ás vezes, espelha as letras, assim pula algumas. Ele conta bem até 20, mas não reconhece os numerais.
É uma criança extremamente dócil, tem um vocabulário grande, sabe usar bem o plural e emprega bem as palavras, montando frases bem estruturadas. Adora música e todos os instrumentos musicais lhe interessam muito. Com 2 anos de idade, parava de brincar , para ouvir e ver uma orquestra na TV. Aprende letras de músicas e não as esquece. É considerado por todos que convivem com ele, uma criança muito inteligente, porque tem umas "tiradas" maravilhosas.
Eu, como toda mãe, estou bastante ansiosa e posso dizer que de ontem para hoje, devorei todas as leituras possíveis sobre o assunto.
Minhas dúvidas são: Quem diagnostica é o fonodiologo? Aonde devo procurar ajuda? Quais os profissionais certos? Li que quanto antes diagnosticado, melhor serão os resultados para sua alfabetização e aprendizados escolar. Moro no Espirito Santo e se alguém puder me ajudar, indicar profissionais ou me esclarecer melhor. Agradeço e muito! ( josyenne@hotmail.com )

Josyenne Simoes disse...

Boa tarde!

Ontem a pedagoga da escola do meu filho, que hoje tem 4 anos e 6 meses, me disse estar preocupada com a evolução do aprendizado de João Pedro. Relatou que sua preocupação é porque tem a sensação de que ele esquece rapidamente o que aprendeu. Uma hora demonstra o aprendizado, na outra parece que nunca viu aquilo.
João Pedro começou a falar mesmo, antes balbuciava algumas poucas palavras, com 1 ano e 3 meses, com 2 anos apresentou uma gagueira, que o pediatra disse ser normal e logo desapereceu. Em seguida, notei alguma confusão em reconhecer as cores, pensamos até que ele podia ser daltonico (por já haver caso na família), mas de repente ele aprendeu! Agora elas relatam sua dificuldade, com 4 anos e meio, em aprender as letras do alfabeto e os números. Ele escreve seu nome, mas ás vezes, espelha as letras, assim pula algumas. Ele conta bem até 20, mas não reconhece os numerais.
É uma criança extremamente dócil, tem um vocabulário grande, sabe usar bem o plural e emprega bem as palavras, montando frases bem estruturadas. Adora música e todos os instrumentos musicais lhe interessam muito. Com 2 anos de idade, parava de brincar , para ouvir e ver uma orquestra na TV. Aprende letras de músicas e não as esquece. É considerado por todos que convivem com ele, uma criança muito inteligente, porque tem umas "tiradas" maravilhosas.
Eu, como toda mãe, estou bastante ansiosa e posso dizer que de ontem para hoje, devorei todas as leituras possíveis sobre o assunto.
Minhas dúvidas são: Quem diagnostica é o fonodiologo? Aonde devo procurar ajuda? Quais os profissionais certos? Li que quanto antes diagnosticado, melhor serão os resultados para sua alfabetização e aprendizados escolar. Moro no Espirito Santo e se alguém puder me ajudar, indicar profissionais ou me esclarecer melhor. Agradeço e muito! ( josyenne@hotmail.com )

Mariana disse...

Minha irma era disléxica mais ela se tratou num lugar de oftalmologia em curitiba e conseguiu estar em ótimas condições. Agora é como se nunca houvesse padecido a doença :)

Anônimo disse...


Primeiramente eu a parabenizo pela iniciativa do Blog.

A minha história e a seguinte:

Tenho uma filha de 9 anos e que desta época da alfabetização vem com um certo atraso em relação as outras crianças. Ela lê muito bem, se expressa bem, nao tem dificuldade enfuma nessa área, o problema esta no aprendizado, principalmente em matemática. Ela lê um enunciado de uma questão mas parece que nao entende nunca, temos que explicar varias vezes. A professora acha que nao e dislexia, e sim, uma certa dose de preguiça. Eu a mãe estamos muito angustiados com essa situação. Nossa filha tem chorado e dito, "porque que sempre sou eu que nao aprendo na sala de aula". Temos medo disso virar um bloqueio e que ela crie uma rejeição da escola. 
Obrigado
rogerioempaz@yahoo.com.br


Enviado via iPad

Então, como diagnosticar a dislexia?

Diagnóstico

Os sintomas que podem indicar a dislexia, antes que seja feito um diagnóstico multidisciplinar, só indicam um distúrbio de aprendizagem, mas não confirmam a dislexia. Os mesmos sintomas podem indicar outras síndromes neurológicas ou comportamentais.
Identificado o problema de rendimento escolar ou sintomas isolados, que podem ser percebidos na escola ou mesmo em casa, deve-se procurar ajuda especializada.
Uma equipe multidisciplinar formada por: Psicóloga, Fonoaudióloga e Psicopedagoga Clínica deve iniciar uma minuciosa investigação. Essa mesma equipe deve ainda garantir uma maior abrangência do processo de avaliação, verificando a necessidade do parecer de outros profissionais, como Neurologista, Oftalmologista, Otorrinolaringologista e outros, conforme o caso.A equipe de profissionais deve verificar todas as possibilidades antes de confirmar ou descartar o diagnóstico de dislexia. É o que chamamos de AVALIAÇÃO DIFERENCIAL MULTIDISCIPLINAR.

PORQUÊ.... SOMOS DIS !??

PORQUÊ.... SOMOS DIS !??

COMO É A VIDA DE UMA PESSOA COM DIS...

PORQUÊ, SOMOS DIS !!!

Saiba , que entendo muito bem , quando vc fala (mal sabem eles o que tenho de fazer para chegar ate onde cheguei.... ´´e horrivel para mim. Agora vou ter que enfrentar um exame da ordem. Nao sei se mostro que sou dislexica ou nao para fazer a prova. Tenho que decidir, gostaria que vcs me orientasse o que devo fazer) vou te dar varias razões, para você não esconder que é dislexica, e outras tantas mais para você se cuidar e se respeitar em quanto há tempo. Seja quem você realmente é !!! Não seja preconceituosa com você mesma , como eu fui, por pura falta de conhecimento , coisa que você já tem.
e o mais importante ...tem a conciência dos seus direitos como cidadã. O meu conselho é: exerçar seus direitos e cumpra seus deveres, como ser pensante e atuante na nossa sociedade.

como vc sabe , também sou dislexica, mas só tive conciência do que estava acontecendo comigo, depois que ...já tinha meu emocional todo comprometido.
E mesmo assim , tive que passsar por mentirosa, pois já havia passado em um concurso publico, atuava como professora alfabetizadora e estava fazendo uma graduação em pedagogia. E te digo ...só eu e deus, sabia o que eu escondia !!!
Vivi toda minha vida com medo, e com vergunha , quando alguèm percebia meus erros ortograficos ,minha total incapacidade de escrever ao mesmo tempo que outra pessoa falava, não consiguia anotar as informações.
Com tudo isto, fui desfaçando para conseguir viver neste mundo letrado!!!
Até que minha mente e meu corpo , não suportou o estress!!! E tudo ficou encontrolavel, entrei em um processo de depressão, ansiedade e hiperatividade , altissimo.
Foi quando , fui em busca de ajuda medica. Sem saber o que eu escondia...os profissionais de saúde, se desdobraram em busca de explicações para o meu estado de saúde. Cada um chegou a um diagnostico conclusivo.
O psiquiatra, depressão e asiedade, que deveria ser trabalhada com terapia e medicação. A psicologa, hiperatividade causada por meu comportamento obcessivo de perfeição, e fata de confiança, deveria tentar me concentrar melhor no presente. O reumatologista, para ele eu estava com fibromialgia e outras coisas, causadas pelo estress, elevado, seria necessario procurar auternativas de relaxamento, e medicação. Fiz , hidroterapia, acupuntura, rpg , caminhada, cessão de relaxamento mental, com os psicologos, participei de programas para levantar minha auto-estima. Mais nada adiantava...tive outros sintomas, como gagueira, que foi trabalhado com a fonaldiologa. Labirintite, refluxo, que foram tratados por medicos da aréa, especialistas.
Depois tive problemas na visão, ai foi que tudo se entrelaçou, o oftalmologista , pedio um exame para descartar , adivinha o que?
Esclerose multipla....ai na resomância deu possitivo!!! E tudo levava a crer, neste diagnostico, quando se juntava tudo o que estava acontecendo com o meu corpo!!!
Pensa que acabou por ai!!?? Não! Tudo só estava recomeçando...
Mas paralelo a tudo isto, que vinha se passando, eu não parei de estudar, herá ponto de hora!!Para mim!! Fiquei de licença do trabalho , para tratamento, e ainda tive que enfrentar a doença da minha mãe que estava com o diagnostico de câncer. E meus filhos confusos e em plena adolecência. Eu estava completamente perdida!!!! Sem estrutura emocional, e sem controle cognitivo, esquecia as coisas , chorava muito,comecei a escrever e ler com muito mais dificuldades , já estava saindo da realidade, que me parecia um pesadelo!!
Mas, como uma boa dislexica, até então sem saber, não deixei de lutar contra o mundo. E quando estava fazendo minhas pesquisas para o trabalho do tcc, para conclusão do curso de graduação em pedagogia, sobre o tema que mais mim encomodava, os erros ortograficos em sala de aula e a visão do professor, quanto os problemas de aprendizagem. Por acaso, entrei no site da associação brasileira de dislexia, e quando estava lendo um depoimento de um dislexico adulto!!! O chão se abriu e o céu também...e as coisas foram tendo sentido, minha vida tava fazendo sentido. Eu estava diante , de uma explicação para a minha total "burrice"!!! Diante dos meus maiores medos, das minhas grandes vergunhas, das minhas piores dificuldades, e de tudo o que eu fazia questão de esconder, que erá a minha incompetência, diante do desafio de ler e escrever!!!
Mas o que eu julgava ter diante de me, toda solução para explicar todos as minhas angustias, sem fundamento , porquê , agora haveria uma razão. Senti meu esprírito leve, despreoculpado, pensei, agora não vou mais ter que mentir , tenho que revelar o meu maior segredo, e só atravez desta revelação serei liberta do medo, da vergunha, desta vida prisioneira da culpa de ser o que eu herá!!!
Bem , caros colegas, as coisas não foram, e não são tão faceis deste jeito que pensei...todos os profissionais de saúde que estavam , cuidando do meu equilibrio, duvidaram da minha verdade. Passaram a olhar , para me, como se eu estevesse, louca...e se perguntavam!!???
E questionavam, como eu tinha dislexia e tinha chegado onde cheguei sem ajuda!!??? Como eu saberia ler e escrever !!??? Porquê, e como poderia ter escondido isto!!!?? Bem , as respostas para estas perguntas, só eu e deus sabe o que tive que fazer,e tive que reunir forças,buscar conhecimento para meus argumentos e levanta uma quantia em dinheiro, para ir até são paulo, o unico lugar , onde teria profissionais seguramente competêntes para fazer o diagnostico, porquê todos os outros se mostravam completamente impossibilitados para assinar um laudo fechado de um diagnostico sobre dislexia.
E neste exato momento , luto contra todos os mesmos, sentimentos e há todos os mesmos pré-conceitos. E tenho que usar os mesmos meios para continuar sobrevivendo. Mas com uma diferênça fundamental,hoje já não tenho tanta vergonha de escrever errado, entendi que isto não mim tira o direito de ser respeitada e que sou competente e capaz .
Imagina ser ...professora alfabetizadora, pedagoga e atualmente estou fazendo pós- de psicopedagogia. Se tenho dificuldades...claro!! Se vejo discriminação nos olhos de muitos ...simmm!!! Fui aposentada pelo governo do distrito federal, por razões óbvias, que já não tenho forças para questionar.

Mas o que mais importa é que dessidi ir á luta, por mim e por nós!!

Quero que todo disléxico assuma sua condição, não somos doentes para procurar há cura...devemos ir a procura do entendimento do nosso ser pensante e atuante , diante desta sociedade letrada e preconceituosa.

Abjncrção!
Elizabete aguiar.
Perfil profissional:
Profª Elizabete M. Rodrigues R. da R. Aguiar.
Graduada em Pedagogia – UNB.
Especialização em Psicopedagogia Reeducativas Clínica e Institucional –UniEvangelica
Especialista e Neuropedagogia e Psicanálise – FTB.
Dir. Adm. Adjunta da Associação de Psicopedagogia – ABPp- Seção BRASÍLIA.
Profª da Secretaria de Educação do Governo do Distrito Federal – GDF.
Consultoria e Assessoria em Psicoeducação.